Publicidade
Entretenimento
Vida

Cena urbana e cabocla é pauta da exposição 'Brisas do Rio Negro'

Produções dos fotógrafos Lula Sampaio, Roumen Koynov, Jimmy Christian, Carlos Navarro e Ruth Jucá estão na mostra, que teve a curadoria do artista plástico Jandr Reis. Segundo o próprio, as fotografias expostas já faziam parte do acervo da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) 06/11/2012 às 07:57
Show 1
As fotos apresentam momentos do cotidiano amazônico
Rafael Seixas Manaus, AM

A ótica pessoal de cinco fotógrafos que atuam na região amazônica se encontra nos trabalhos que dão corpo e forma à exposição “Brisas do Rio Negro”, aberta a partir de hoje no Centro Cultural Palácio da Justiça (localizado na av. Eduardo Ribeiro, Centro). A visitação ocorre de terça a sexta-feira, das 13h às 17h, e aos domingos, das 17h às 21h. A entrada é franca.

Produções dos fotógrafos Lula Sampaio, Roumen Koynov, Jimmy Christian, Carlos Navarro e Ruth Jucá estão na mostra, que teve a curadoria do artista plástico Jandr Reis. Segundo o próprio, as fotografias expostas já faziam parte do acervo da Secretaria de Estado de Cultura (SEC). “São trabalhos que foram contemplados em programas (de fomento à cultura) e que ficam (alguns) no acervo da SEC”, disse o curador.

“A mostra não trata só do Rio Negro, mas também dos momentos pitorescos do cotidiano do caboclo amazônico”, completou. Imagens de trabalhadores do porto, de moradores das áreas de palafitas, de praças e de toldos das feirinhas de Manaus estão em “Brisas do Rio Negro” – ao todo com 40 fotos.

Olhar

“Cada artista traz sua personalidade de ver a cena urbana e cabocla”, falou Reis. Três dos expositores exploram em suas obras o preto e o branco, e os demais o colorido, como é o caso da série “Céu azul e toldos” (leia o Box), de Lula Sampaio.

“É um trabalho sobre lonas, toldos coloridos que são usados em feiras de Manaus. Essa série traz dois painéis (1x3 metros). (...) Dava para ter feito um filme e uma exposição com essa mesma temática”, informou Sampaio, que utilizou uma lente grande angular em algumas das fotografias. De acordo com o curador, o fotógrafo paraense tem um talento especial. “Um simples detalhe, o Lula transforma em obra-prima”.

Fotógrafa

Outro nome conhecido da cena local é o de Ruth Jucá, única mulher selecionada para a exposição. “São fotos de detalhes que fiz no Rio Negro. De acordo com o horário em que bate a luz, ele (o rio) fica de várias cores: rosa, azul, roxo, preto, laranja...”, explicou Ruth, que gosta de captar a poesia que existe nas águas em seus trabalhos.

“Gosto muito de água, tanto do mar quanto do rio. A água é um bálsamo para a alma. Gosto de foto em detalhe, porque o detalhe é algo que as pessoas não veem, porque só observam o geral”, complementou a artista, que lança ainda nesta semana o livro de poesia e haikai “Outros ventos” (veja destaque).

“Brisas do Rio Negro” vai ficar em cartaz até o dia 3 de fevereiro de 2013. Mais informações sobre a mostra podem ser obtidas no número de contato (92) 3248-1844.

Serviço

O que é:  Exposição fotográfica “Brisas do Rio Negro”

Onde:  Centro Cultural Palácio da Justiça, Centro

Quando:  Até o dia 3 de fevereiro de 2013; Visitação: de terça a sexta-feira, das 13h às 17h, e aos domingos, das 17h às 21h