Publicidade
Entretenimento
O Retrato de Dorian Gray

Clássico literário entra em cartaz no Teatro Amazonas

Companhia Internacional de Teatro Arte Livre vem a Manaus pela primeira vez para apresentar o espetáculo 19/10/2012 às 10:02
Show 1
Clássico da Literatura entra em cartaz no Teatro Amazonas
Mellanie Hasimoto Manaus

Considerado um dos clássicos modernos da literatura ccidental, “O retrato de Dorian Gray” ganha vida por meio da montagem produzida pela Compañía Internacional de Teatro Arte Livre, companhia brasileira com base na Galícia, Espanha. Pela primeira vez em Manaus, o espetáculo que leva ao palco do Teatro Amazonas a obra-prima de Oscar Wilde entra em cartaz amanhã, às 20h, e permanece até o sábado, dia 20.

Acompanhando a vida do personagem do título, o espetáculo premiado na Europa apresenta Dorian Gray, um jovem hedonista e que é a base de um triângulo amoroso cheio de conflitos. Atacando a hipocrisia da sociedade inglesa do século 19, a obra de Oscar Wilde causou polêmica em seu tempo.

Aqui, com a montagem da companhia dirigida por Roberto Cordovani, que também interpreta Gray, a essência do livro permanece. “O texto do espetáculo é bem detalhado e com diálogos intensos. A essência da obra de Wilde fala da busca pela beleza eterna, e o assunto permanece atual – ainda mais em uma situação complicada como a Europa vive, até mesmo o Brasil e a corrupção – e acaba se tornando o foco do comportamento humano retratado na peça”, ressaltou Cordovani.


Clássico

Por conta de seus diálogos vibrantes e uma estética detalhada, “O retrato de Dorian Gray” é uma das obras que mais ganharam adaptações para o cinema e o teatro. “E essa visão crítica de Wilde causou ao autor muitos problemas, mas o texto transporta o público a várias sensações”, completou o ator e diretor.


 O elenco conta, ainda, com o talento dos atores Bruno Portela, o mexicano Ramon Cabrer e a espanhola Cristina Collazo.

 Os quatro atores em cena interpretam 12 personagens distintos da história, o que totaliza 32 trocas de figurino durante a encenação do espetáculo. “Há um comprometimento dos atores com a emoção, com o que a crítica especializada se surpreende”, completou Cordovani.

Cenário de Burle Marx

A primeira versão da CIT Arte Livre aconteceu há 21 anos, com grandes nomes como o paisagista Burle Marx, que idealizou o cenário – o único que fez para teatro –, e o figurino foi confeccionado por Conrado Segreto, um dos mitos da moda brasileira.

 A beleza da produção é ressaltada, também, pela iluminação e os efeitos especiais, comandados pelo espanhol Erin Barreiro. “A iluminação é quase de cinema. O público percebe o envelhecimento do quadro no decorrer do espetáculo”, conta Bruno Portela.

A turnê da CIT Arte Livre passa por Manaus para fugir do eixo Rio-São Paulo. “E porque sempre foi um desejo nosso conhecer esse teatro esplendoroso”, completou Cordovani.

O espetáculo fica em cartaz aqui a partir de quinta-feira (18) até o sábado, dia 20. Daqui, segue para os Estados de Mato Grosso, Alagoas e Rio de Janeiro, depois de ter passado por São Paulo e Bahia.