Publicidade
Entretenimento
Vida

Contagem regressiva para o Festival Amazonas de Ópera 2012

SEC informa que 65% dos ingressos já foram vendidos para os espetáculos que começam daqui a um mês 20/03/2012 às 08:51
Show 1
Produzidos pela CTP, a riqueza de detalhes dos figurinos encanta
Mellanie Hasimoto ---

Falta exatamente um mês para começar o 16º Festival Amazonas de Ópera (FAO), evento único no Brasil e que atrai gente do mundo inteiro. E, após 15 edições, é possível perceber que o público já está ansioso pelo início do evento, de acordo com o titular da Secretaria Estadual de Cultura (SEC), Robério Braga. Artistas, músicos, cantores e maestros, além de produtores, costureiras, gente da parte técnica e diversos outros profissionais dão início à produção de todo o material necessário para a estreia, no dia 20 de abril.

“Já foram vendidos por volta de 65% dos ingressos disponíveis para o festival.  Já temos um público local formado, que já vai ao teatro para ver mesmo a ópera, um público que vai aos espetáculos de rua, outro que vai às palestras, workshops e vivências. É um público qualificativo, e sei de gente que já frequenta o festival há 12 anos!”, comemorou Braga.

Na avaliação do titular da SEC, o FAO está “fincado de vez no calendário cultural do Brasil, pela qualidade com que é produzido e pela maneira como é recebido pelo povo”.

Alto nível

Se tem uma coisa que todo o público comenta é a alta qualidade com que é tudo produzido para o FAO. E, para que isso fique mais evidente, a Central Técnica de Produção (CTP) da SEC ganhou um novo espaço. Quatro vezes maior, a nova CTP comporta, hoje, mais de 20 mil peças de figurino e cenário armazenados.

Desde janeiro localizada no bairro da Cachoeirinha, Zona Sul, a CTP é um dos cenários do espetáculo. “Mudamos para um local quatro vezes maior que o anterior (no bairro Aparecida), e agora é possível, efetivamente, dar melhores condições de produção, guarda e armazenamento de todo este material. Mais ampla, a CTP está melhor, com acervo organizado e área de produção ainda mais profissional”, comentou Robério Braga.

O coordenador da central, Marcos Apolo, informa que, durante o festival, mais de 60 costureiras trabalham na produção de figurinos. “O nosso contingente aumenta bastante durante essa época, mas muitas das peças são reaproveitadas para outras obras, senão nosso espaço não comportaria”, explicou Apolo. Organizadas por obra, perucas, maquiagem, calçados, vestidos e toda uma infinidade de peças que encantaram o público pela riqueza de detalhes aguardam para ganhar vida no palco do Teatro Amazonas.