Publicidade
Entretenimento
Vida

Cores envoltam obras da artista Marcela Aureliano

Marcela é um exemplo de pessoa que largou tudo para abraçar a vida de artista. Formada em Direito, com pós-graduação em Ciências Penais, ela abandonou a carreira jurídica em favor da sua arte 07/01/2013 às 08:26
Show 1
Em Manaus há dois anos, pernambucana desenvolve sua carreira e aprende com os artistas amazonenses
Rosiel Mendonça Manaus, AM

Em meio às inúmeras barracas de artesanato e gastronomia que tomam conta da avenida Eduardo Ribeiro aos domingos, na tradicional feira que já virou ponto turístico da cidade, uma delas chama a atenção pelos trabalhos coloridos e cheios de vida: a da artista plástica Marcela Aureliano. Nascida em Recife, mas radicada em Manaus há dois anos, é aqui que ela tem desenvolvido a sua carreira.

“Eu já trabalhava com quadros lá em Recife, mas quando cheguei aqui eu não sabia como ia mostrar meu trabalho ou ser conhecida. Então, eu resolvi vir para a feira, e foi a partir daí que as pessoas começaram a me conhecer e eu passei a produzir mais”, contou ela, que também atua como designer de interiores e artesã.

Marcela é um exemplo de pessoa que largou tudo para abraçar a vida de artista. Formada em Direito, com pós-graduação em Ciências Penais, ela abandonou a carreira jurídica em favor da sua arte. “Cheguei até a trabalhar em um cartório daqui, mas o que eu gostava mesmo era da arte, que está presente na minha vida desde criança e é algo que me dá prazer”.

PRODUÇÃO

Com os quadros da coleção “Arte para todos” (2012) quase todos vendidos, Marcela Aureliano já se prepara para produzir telas para uma nova coleção, que deve se chamar “Sonhos”. “Vai ser algo bem lúdico, onírico e viajado”, adiantou a artista. A técnica que ela usa é a da tinta acrílica sobre tela, mas os traços podem ir das chamadas “pinceladas” até um estilo mais metódico, com linhas bem definidas.

O contato com os artistas locais também tem sido valioso para Marcela, que recebe aulas do artista plástico amazonense Nelson Falcão. Buy Chaves e Cláudio Andrade estão entre os nomes que ela cita quando fala da arte local.

“Fiquei muito tímida quando cheguei aqui, pensei que não ia conseguir, mas estou aprendendo muito com os artistas de Manaus. Antes eu comprava a tela, agora estou aprendendo a fazer a minha própria, o que ajuda a baratear a produção”.