Publicidade
Entretenimento
TEATRO

Espetáculo da Broadway é adaptado para Manaus e terá elenco 100% amazonense

O projeto do Amazonas faz parte do TCC do acadêmico Matheus Sabbá, que assina a direção geral e é pesquisador de teatro musical 12/10/2017 às 05:00 - Atualizado em 12/10/2017 às 12:28
Show b0804 21f
(Foto: Estúdio Lumi/Divulgação)
Laynna Feitoza Manaus (AM)

Uma cidade está sem água há 20 anos e, nessa mesma cidade, as pessoas só podem fazer as suas necessidades fisiológicas nos banheiros públicos. Os banheiros são administrados pela Companhia da Boa Urina (CBU), que é uma empresa gerida pelo personagem conhecido como Patrãozinho. Diante da amizade dele com o Senador, eles aprovam uma lei no Congresso que aumenta as taxas de conveniência dos banheiros.

A partir do aumento das taxas, as pessoas ficam sem dinheiro para fazer xixi, ou seja, para satisfazer uma necessidade básica. Aí vem a reflexão: na vida real, a grande maioria, de certa forma, também é privada de necessidades básicas como acesso à saúde e à educação, não é mesmo? A reflexão faz parte do espetáculo “Urinal, O Musical”, que será encenado em Manaus no dia 22 de novembro às 20h, no Teatro Amazonas. O espetáculo, inspirado no teatro do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, será o primeiro musical da Broadway encenado em Manaus com uma equipe 100% amazonense.

“Urinal, O Musical”, foi montado pela primeira vez no Brasil em São Paulo, no ano de 2015, pelo Núcleo Experimental. O texto original foi traduzido para o português por Zé Henrique de Paula, e é em cima dessa tradução que a versão amazonense do musical está sendo trabalhada. O projeto do Amazonas faz parte do Trabalho de Conclusão de Curso do acadêmico de teatro Matheus Sabbá, que assina a direção geral do espetáculo e que é pesquisador do teatro musical.

Segundo Matheus, o musical vai trazer uma espécie de jogo de poderes, explicitado pela figura do povo que fica privado de suas necessidades básicas. “O xixi é uma metáfora usada para muitas coisas que acontecem nos dias de hoje. Essa crítica é baseada no encenador Bertolt Brecht, um dos caras que implementaram o Teatro Musical no mundo. Usamos a comédia para mostrar essa realidade, e a partir da comédia as pessoas riem, ao mesmo tempo em que se tocam da realidade que vivem”, declara o diretor.

Equipe

Ao todo, participam do espetáculo 16 atores, que cantam e atuam ao vivo, além da orquestra, que é composta por 14 músicos. A regência é feita pelo maestro Marcelo de Jesus. O musical original foi vencedor de três Tony Awards – considerado o Oscar da Broadway. “O espetáculo é narrado por um policial e uma garotinha. Eles vão costurando isso de forma onde eles explicam a história que estão inseridos. É uma reflexão dentro de uma reflexão”, diz o diretor.

Musicalmente, a adaptação amazonense se inspira no cabaré dos anos 20, e passa por vários ritmos da Broadway, como o jazz e o gospel, e se inspira na música de Kurt Weill Brecht, responsável pelas músicas que embalavam os musicais políticos. “A cenografia é assinada pelo Marcos Apolo, do Festival de Ópera, e para fazê-la a gente se inspirou em canos, janelas, como se a gente tivesse num submundo, abaixo da sociedade. Mas tudo é pensado para que o contraste seja mostrado, porque a partir dele é que podemos ver o quanto a sociedade é ramificada e que só cresce quem tem oportunidades”, pondera Matheus.

Contemporaneidade

O figurino, assinado por Eduardo Klinsmann e Alex Ramos, é uma releitura dos anos 50, mas sem deixar de trazer um ar de contemporaneidade. “No espetáculo, vemos um figurino moderno com cortes antigos. Pelo fato da sátira estar presente na obra, as figuras são muito satíricas e exacerbadas. Por exemplo: o Senador, que é muito rico, é deixado bem cafona”, conta Sabbá. Na ficha técnica, Eduardo Klinsmann também assina a coreografia do espetáculo, e Carol Martins assina a produção vocal.

Apoiadores

O musical conta com o apoio institucional do Sesc (Serviço do Comércio) e da Secretaria do Estado de Cultura do Amazonas.

Serviço

O quê: Espetáculo "Urinal, O Musical"
Quando: 22 de novembro, às 20h
Onde: Teatro Amazonas, na rua 10 de Julho, Centro
Quanto: Gratuito