Publicidade
Entretenimento
Buzz

Ex-baixista do Legião Urbana é encontrado morando nas ruas do Rio de Janeiro

O ex-baterista da Legião Urbana, Marcelo Bonfá defendeu-se das críticas no Twitter de que ele e Dado Villa Lobos teriam abandonado Renato Rocha. "Nós sempre tentamos ajudá-lo, mesmo quando ele ainda era um músico ausente dentro na banda", escreveu 26/03/2012 às 22:24
Show 1
Renato Rocha à esquerda, em matéria exibida pela Record e a direita quando ainda fazia parte da Legião Urbana
UOL E ACRITICA.COM ---

Após ser expulso da “Legião Urbana”, em 1989, Renato Rocha, ex-baixista da banda, foi encontrado pela equipe da TV Record morando nas ruas da capital carioca. Após perder tudo devido ao seu problema com drogas e bebidas, Renato ainda tentou manter a carreira, mas não obteve muito sucesso e hoje vive em uma situação deprimente. O caso ganhou repercussão nas redes sociais e comoveu os fãs da banda.

O ex-baterista da Legião Urbana, Marcelo Bonfá defendeu-se, no Twitter, das críticas de que ele e Dado Villa Lobos teriam abandonado Renato Rocha. "Nós sempre tentamos ajudá-lo, mesmo quando ele ainda era um músico ausente dentro na banda", escreveu Bonfá na rede social. Rocha é ex-baixista do grupo e foi encontrado pelo programa "Domingo Espetacular" morando na rua, no centro do Rio de Janeiro.

"Algumas pessoas aqui estão bastante equivocadas sobre a ideia de qualquer culpa que possamos ter, eu e Dado, na vida que ele escolheu para si. Posso dizer que eu faço a minha parte quanto a ajudar pessoas dentro do meu raio de ação e que ainda assim vão além da minha própria família", justifica o músico. "Ele se distanciou e se envolveu em problemas que iam além das nossas possibilidades de ajudá-lo. Muito depois, o Dado, que tem um estúdio, tentou ajuda-lo oferecendo uma participação em uma gravação. Mas ele não conseguiu realiza-la", explica Bonfá. 

A trajetória de Renato Rocha na Legião Urbana

Renato Rocha participou da primeira formação da banda, assim que assinaram o contrato com a EMI em 1984 e colaborou com seus três primeiros álbuns: "Legião Urbana" (1985), "Dois" (1986) e "Que País É Esse?" (1987). Com matérias de arquivo, o "Domingo Espetacular" explicou a relação do baixista com os outros integrantes. "Eu tocava baixo e de repente percebi que seria mais legal a gente ter um baixista. Então, a gente chamou o grande Renato Rocha, fabuloso baixista, então comecei a cantar só", conta Renato Russo num dos vídeos. 

"Ele saiu primeiro porque ele é muito louco, né? Ele perdia um voo aqui, perdia um ensaio ali", conta Dado Villa-Lobos em entrevista da época. "Eu acho que o Renato Rocha não estava mais a fim. Não entendo o porquê, foi um vacilo dele", completa Bonfá. "Teve um dia que a gente falou 'chega', você tá atrapalhando", finaliza Villa-Lobos. 

Dentre os hits que Rocha também assina estão "Ainda É Cedo", "Daniel na Cova dos Leões", "Quase Sem Querer" e "Mais do Mesmo". Um dos questionamentos do programa é como estão sendo pagos os direitos autorais do músico, que a reportagem diz não receber nada desde 2002. "Como pode um disco vender doze milhões de cópias, e eu ficar na rua?", questiona Renato. De acordo com a apuração do programa, um relatório disponibilizado pelo ECAD mostra que foram arrecadados R$109,953,53 nos últimos dez anos em relação as músicas produzidas no período em que Renato ainda estava presente, o que dá cerca de R$916 por mês. Dado e Bonfá preferiram não comentar o caso no programa da Record.  

De acordo com a reportagem, o pai de Renato, um advogado, pretende ajudar o filho, que segundo ele "sempre recebeu muito carinho, apesar de seu problema com drogas". Rocha foi casado e é pai de um menino de 11 anos e de uma menina de 14 anos. A família o deixou e voltou para Brasília.