Publicidade
Entretenimento
Vida

Férias escolares não precisam ser uma tortura para pais nem entediantes para os filhos

Hoje, com pai e mãe trabalhando, é difícil lidar com mais de dois meses sem aulas por ano, ainda mais quando os pais não conseguem conciliar as duas agendas profissionais 18/07/2012 às 11:20
Show 1
Deixar a criança passar férias com avós ou outros parentes é enriquecedor e aumenta laços familiares
Heloísa Noronha/UOL ---

Há cerca de três gerações, a participação feminina no mercado de trabalho não era tão maciça. As mulheres ficavam mais tempo em casa, o que permitia que as férias escolares transcorressem sem atropelos, mesmo sem nenhuma viagem na programação. Havia, ainda, mais segurança para deixar as crianças se divertirem na rua. Hoje, com pai e mãe trabalhando, é difícil lidar com mais de dois meses sem aulas por ano, ainda mais quando os pais não conseguem conciliar as duas agendas profissionais. Onde deixar as crianças? Há programação extra na escola? Ela é suficiente para entretê-los? Será que a avó, que já quebrou tantos galhos, vai reclamar dessa vez?

O estilo de vida dos casais mudou e o recesso escolar se transformou em um grande problema. UOL Comportamento conversou com especialistas e ouviu várias mães –afinal, boa parte das decisões ou perrengues que envolvem os filhos costumam ser da alçada feminina, pois elas ainda são as mais envolvidas nessas tarefas– para propor algumas soluções pertinentes, principalmente para quem vive nas grandes cidades.

Antes de adotar qualquer medida, porém, a psicóloga Denise Pará Diniz, coordenadora do setor de gerenciamento de estresse e qualidade de vida da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), afirma que é fundamental partilhar os planos com as crianças, para que elas também possam planejar as próprias férias.

"O ideal é encontrar uma alternativa que satisfaça todo mundo, não só os pais. A criança também deve ficar feliz, assim como a rotina de um possível cuidador não deve sofrer maiores contratempos", afirma.

A psicóloga diz, ainda, que, seja qual for a solução, também é importante deixar claro para os filhos que os pais gostariam de estar por perto, mas que precisam trabalhar para proporcionar-lhes mais conforto e porque sua carreira lhe traz satisfação.

"Aproveite esse momento para estimular a autonomia deles. Telefone durante o dia para saber como vão as coisas, mas não de maneira obsessiva, e, sobretudo, não se culpe. Tente compensar com qualidade de tempo ou com um passeio especial no fim de semana", declara Denise.

DICAS IMPORTANTES 

- Férias não são indicadas para o início de cursos, mesmo que eles facilitam a rotina dos pais. É tempo de divertimento. Sobrecarregar uma criança nessa fase prejudica o aprendizado no retorno à escola. 

- Nas férias, seja mais flexível, em especial com tarefas e horários de acordar e dormir. 

- É um erro achar que duas crianças vão se dar bem só por terem a mesma idade ou serem do mesmo sexo. Pense nisso antes de combinar de deixar a criança na casa de um amigo que tem filhos, pois falta de empatia ou brigas podem acontecer. 


- Respeite o temperamento de seu filho antes de inscrevê-lo em determinadas atividades de férias.  Uma criança introvertida ou enjoada para comer pode ter problemas em um acampamento, assim como quem prefere brincadeiras mais calmas vai penar em um campeonato de futebol ou de dança. 

- Os pais devem deixar todos os seus números de telefone –e os de alguém próximo– com os cuidadores e com os filhos. Crianças de cinco anos são capazes de fazer um telefonema e até de mandar SMS.