Publicidade
Entretenimento
Julgamento Raphael

Filho de ex-deputado estadual do Amazonas vai a júri popular em abril

Filho do ex-deputado Wallace Souza será julgado em 12 de abril junto com o ex-PM  " Moa" e o motorista " Mário Pequeno" 03/02/2012 às 12:13
Show 1
O julgamento de Raphael é considerado um dos mais complexos deste semestre
Joana Queiroz Manaus

O estudante Raphael Wallace Souza, o ex-soldado da Polícia Militar Moacir Jorge Pessoa da Costa, o “Moa”, e o motorista Mário Rubens, o “Mário Pequeno”, serão levados a júri popular pela morte do suposto traficante de droga Cleomir Bernardino, o “Caçula”. O julgamento está marcado para acontecer no dia 12 de abril e será presidido pela juíza do 1º Tribunal do Júri, Eline Paixão.

Segundo o promotor da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Rogério Marques, o julgamento de Raphael, “Moa” e “Mário Pequeno” está sendo visto como um dos mais complexos da pauta de julgamento do primeiro semestre deste ano, em virtude de os mesmos terem seus nomes envolvidos diretamente na série de crimes atribuídos à suposta organização criminosa comandada pelo ex-deputado estadual e falecido Wallace Souza, pai de Raphael.

Segundo investigações feitas pela polícia, “Moa” e Raphael foram os autores dos disparos que mataram “Caçula”, enquanto “Mário Pequeno” serviu de motorista para a dupla. O ex-deputado Wallace também era um dos réus do processo. Devido a sua morte foi declarada pela justiça a extinção da sua culpa. O crime de “Caçula” foi presenciado por várias pessoas que reconheceram Raphael e “Moa” como os homens que atiraram em “Caçula”.

O envolvimento de Wallace, de acordo com os autos, está no fato de que ele teria pago o aluguel do carro utilizado para a prática do crime - um Fiat Uno, cor prata. O veículo foi utilizado por Raphael, “Môa” e “Pequeno” para fazer o “serviço”. Testemunhas contaram que depois de ter matado “Caçula”, Raphael ligou para o pai dizendo que tinha vingado a morte do tio Ulisses. Ainda segundo testemunhas, o ex-deputado respondeu dizendo: “Esse é o meu filho”. Em seguida, Raphael foi para casa, tomou banho e foi lanchar.

De acordo com o promotor, os acusados “Moa” e Raphael são réus presos. Raphael cumpre pena no regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), pelo crime de associação para o tráfico. “Moa” está preso na penitenciária federal de Porto Velho, onde cumpre pena por associação para o tráfico e por homicídio do traficante Edilberto Souza do Carmo, o “Edi”, ocorrido em 18 de abril de 2003, pelo qual foi condenado a cumprir 15 anos de prisão em regime fechado.

‘Moa’ fez denúncias em 2009

A existência da suposta organização criminosa especializada em extermínio, tráfico de droga e porte de armas, tornou-se conhecida por meio de denúncia feitas por “Moa” em outubro de 2009. A denúncia foi investigada por uma força-tarefa criada em 2010.

O grupo era formado por delegados de polícia, promotores de Justiça e pelo secretário executivo de Inteligência Thomaz Vasconcelos. As investigações revelaram o indiciamento de outras pessoas, entre elas os irmãos do ex-deputado, o deputado federal Carlos Carlos Souza e o deputado estadual Fausto Souza.

 Os irmãos Souza apresentavam o extinto programa de TV “Canal Livre”, no qual, segundo a polícia, exibiam imagens dos crimes de homicídios praticados pelo grupo. “Moa” era segurança de Wallace.