Publicidade
Entretenimento
Vida

Folia multicultural: Polienal ganha tom carnavalesco

“A ideia é fazer uma conexão entre a geração dos anos 1970 e a dos anos 2000 por meio  desse depoimento do Sérgio Moura”, declarou Mitoso, organizador da Polienal 23/01/2013 às 09:48
Show 1
Um dos objetivos do evento também é resgatar as antigas festas carnavalescas
Rosiel Mendonça Manaus, AM

No dia 8 de fevereiro, a Polienal vai movimentar mais uma vez a cena cultural de Manaus. Organizada pelo escritor e dramaturgo Ribamar Mitoso em parceria com Max Caracol, a quarta edição do evento vai acontecer na calçada do Bar Castelinho, no fim da avenida Eduardo Ribeiro, Centro, a partir das 17h, e vai contar com a presença de vários segmentos artísticos da cidade, além de exposições e execução de marchinhas de Carnaval.

Segundo Mitoso, a 4ª Polienal foi pensada a partir de dois eixos temáticos: a capacidade de rir e debochar dos valores dominantes, o que tem muito a ver com o conceito de carnavalização do pensador russo Mikhail Bakhtin, e a rebeldia dos anos 1970, expressa em uma carta escrita pelo artista plástico Sérgio Moura, que foi amigo de Hahnemann Bacelar e é uma espécie de padrinho de Mitoso.

“A ideia é fazer uma conexão entre a geração dos anos 1970 e a dos anos 2000 por meio  desse depoimento do Sérgio Moura”, declarou Mitoso, que fará uma leitura da carta endereçada a ele.

DIVERSIDADE

Além de leituras dramáticas e performances teatrais e de dança, quem for à 4ª Polienal também vai poder conferir os videopoemas do DJ Marcos Tubarão, o lançamento da obra “O Livro Vermelho”, de Sidney Aguiar, e exposições que vão desde fanzines de diversos autores a desenhos produzidos pela artista plástica Kasmin Carnevali. A iniciativa tem apoio do Programa Ruído e da Rádio Web Manifesto Norte.

Como um dos objetivos do evento também é resgatar as antigas festas carnavalescas, na Polienal haverá espaço para as marchinhas autorais com tom crítico e humor visceral, como a que foi inspirada no Programa Ronda no Bairro (confira ao lado). A autoria é dos “decompositores” Márcio Santana, Marcos Ney e Jalna Gordiano.

Serviço

o que é: 4ª Polienal

onde: Calçada do Bar Castelinho, avenida Eduardo Ribeiro, Centro

quando: Dia 8 de fevereiro, às 17h