Publicidade
Entretenimento
LIVRO

Fotógrafo Marcos Hermes faz campanha na internet para lançar o livro ‘Brasilerô’

Pelas lentes de Hermes já passaram grandes nomes como Cássia Eller, Milton Nascimento, Ney Matogrosso, Sepultura e Legião Urbana 18/09/2017 às 10:45 - Atualizado em 18/09/2017 às 15:11
Show 1273180
Marcos Hermes possui quase trinta anos de carreira no ramo da fotografia (Foto: Marcos Hermes)
Juan Gabriel Manaus (AM)

De cima do palco, o fotógrafo Marcos Hermes tem uma visão privilegiada dos mais renomados espetáculos musicais. Mais ainda, tem a árdua - e prazerosa - missão de fotografar seus ídolos de perto. Pelo menos essa foi a premissa que fez com que o carioca mergulhasse no mundo da fotografia há quase 30 anos. Pelas lentes de Hermes já passaram grandes nomes como Cássia Eller, Milton Nascimento, Ney Matogrosso, Sepultura e Legião Urbana. Os registros que narram, por meio de imagens, a trajetória da música brasileira desde a década de 1990 estão prestes a serem publicados no livro “Brasilerô”, de autoria do fotógrafo.

A obra encontra-se em fase de captação de recursos. Através de uma campanha em um site de financiamento coletivo, Hermes busca meios para que possa propagar parte do registro cultural do País. “[O livro] veio a partir do momento em que eu enxerguei que meu acervo documentava uma época, quando enxerguei que era histórico não pra mim, mas pra música brasileira”, conta o fotógrafo.

O projeto, que já percorreu algumas capitais brasileiras como uma exposição, é um sonho que Hermes carrega há dez anos. O tempo, junto à ideia de aderir ao financiamento coletivo, segundo o fotógrafo, foi necessário para fazer o livro da forma mais autônoma possível, tendo liberdade para escolher cada detalhe por conta própria, além de estabelecer um contato com o público. “Tô fazendo essa campanha de crowdfunding (financiamento coletivo) pelo fato de eu querer conhecer meu público consumidor e ter acesso a todo o controle de produção. Acho que acima de tudo o ‘Brasilerô’ é um sonho que eu persigo há dez anos e eu vou atingir agora”, revela.

Homenagens ilustres

“Brasilerô” é divido em sete temas: “Shows”, que traz registros de incontáveis apresentações captadas pelas lentes de Hermes. “Encontros” que apresenta imagens de parcerias memoráveis nos palcos brasileiros. “Bahia e seu suingue” que, segundo o fotógrafo, foi onde a música brasileira angariou muitas influências e “Daqui pra frente”, com artistas promissores da nova geração musical do País. Outros dois temas são homenagens a artistas ilustres na vida do fotógrafo.

Um deles é o cantor Ney Matogrosso. Escolhido por Hermes para ilustrar a capa do livro, o músico ganha destaque dentro da publicação por representar as multifaces que a música brasileira possui. “O Ney traduz pra mim a pluralidade da música brasileira. A música brasileira é uma grande salada musical e ele é nosso camaleão, nosso David Bowie e a foto do livro é da primeira turnê que fiz com ele”, conta Hermes.

Já a segunda homenagem é dedicada à saudosa Cássia Eller, a quem Hermes possuía um vínculo de amizade bastante afetivo. “Quando eu trabalhei com a Cássia Eller rolaram muitas histórias legais. A gente se divertia muito e era comédia o tempo inteiro. Ela não está no livro por acaso, ela marcou muito minha vida. Era uma turma muito fiel a aquela vibe bacana que acontecia e ela foi um cometa que passou e eu agarrei essa calda no bom sentido”, recorda o fotógrafo que ainda revela publicar o primeiro texto público do filho de Cássia, o músico Chico Chico, dedicado à mãe.

Sobrevivendo às mudanças


(O fotógrafo Marcos Hermes)

A experiência de quase três décadas em um mercado em constante evolução fez com que o fotógrafo precisasse ter jogo de cintura para se adaptar a cada uma dessas mudanças. A principal delas veio com o fato do público cada vez mais fazer uso dos celulares para registrar os shows. Teria esse avanço feito com que o profissional desse ramo se tornasse obsoleto? Para Hermes, não. “Hoje quem trabalha vendendo qualidade tem mais espaço e eu acho que a velocidade da informação só ajuda quem pensa dessa forma”, opina o fotógrafo.

Outra mudança a qual Hermes viu acontecer de perto foi o rumo que a indústria musical tomou nos últimos anos. Para ele, essa mudança de cenário caminhou lado a lado com a fotografia, impactando diretamente o ofício. “É um cenário diferente, tanto musical quanto fotográfico. Era tudo mais controlado, o processo do fotógrafo, direito de imagem. Quando eu comecei era tudo muito segmentado, a galera do rock nacional era uma, da bossa nova outra, hoje tudo se mistura. Eu tô falando com você agora e acabei de terminar um ensaio com Ney Matogrosso e Nação Zumbi”, revela Hermes.

Destaque

Por ser um dos mais requisitados fotógrafos no ramo musical, Marcos Hermes é também o fotógrafo que mais vezes fotografou no palco do Rock In Rio. Com a edição deste ano serão nove eventos.

Saiba +

A campanha Para lançar “Brasilerô”, Marcos Hermes criou uma campanha de financiamento coletivo que pode ser acessada em https://kickante.com.br/marcoshermes. Os doadores tem direito a benefícios de acordo com o valor doado.