Publicidade
Entretenimento
Vida

Grupo de Belo Horizonte se apresenta em Manaus depois de mais de 10 anos

Neste sábado, dia 28, às 20h, no Teatro Amazonas, com reapresentação no domingo, às 19h 26/01/2012 às 10:32
Show 1
Salto alto é integrado na coreografia, mostrando a rotina urbana através de roupas cotidianas
Vanessa Bayma Manaus

Depois de mais de 10 anos sem se apresentar em Manaus, a companhia mineira de dança 1º Ato traz o espetáculo “Mundo Perfumado”, neste sábado, dia 28, às 20h, no Teatro Amazonas, com reapresentação no domingo, às 19h. De repertório sempre marcante, onde a dança contemporânea está presente, o público terá a oportunidade de assistir um dos espetáculos mais vistos e premiados da cia.

A última apresentação do grupo na capital aconteceu entre 99 e os anos 2000, também no teatro, com “Beijo ... nos olhos... na alma... na carne”, inspirada na literatura de Nelson Rodrigues. De acordo com a diretora artística, Suely Machado, a maioria dos trabalhos tem o excesso e a grande quantidade de movimentos como sendo as principais características do 1º Ato.

“Mundo Perfumado”, no entanto, é uma das obras mais vistas pelo público e o mais premiado, faturando o 10º Prêmio Sesc Sated em diversas categorias. “Acredito que as pessoas veem nele características do dia a dia. Pedem muito esse espetáculo e também porque ele não possui um cenário, o que é mais fácil para viajar, porque não é nada muito sofisticado”, explicou a diretora, que disse ter tido a oportunidade de voltar a Manaus após um encontro entre as duas secretarias de Cultura dos Estados.

Estudo

A obra foi criada em 2004 e surgiu de um estudo do movimento construído por Alex Dias, bailarino da companhia. “Ele criou esse estudo a partir dos movimentos ósseos, onde é mostrado o excesso de estímulos que nos levam a banalizar a nossa realidade. Tem muito movimento no começo dele, que depois é levado ao extremo. Fala também do que é essencial, da busca pela perfeição”.

Alex também será o responsável por ministrar oficina sobre dança contemporânea (no Teatro da Instalação) a bailarinos, nos dois dias. Para Suely, a oportunidade é de troca de experiências: “Da primeira vez também realizamos e nós estamos muito felizes de voltar à Manaus, ao teatro, que é belíssimo. Vivemos num País enorme, onde a distância é grande. Percebi a influência da natureza nos bailarinos e houve uma troca entre nós”, revelou.

Perfeição

Sem cenário, mas com passos rebuscados, a companhia procurou trabalhar com figurino bastante urbano, de Marco Paulo Rolla, um artista plástico conhecido em Minas Gerais. A ideia principal foi de mostrar a contemporaniedade, como contou a diretora: “É um figurino urbano, possível de se vestir em qualquer lugar. Tem muita transparência, panos leves, e os bailarinos representam qualquer um de nós. A foto da bailarina com o salto alto mostra justamente essa coisa urbana”.

Assim como as roupas, a preocupação com a trilha, que é original e assinada por André Abujamra, foi super pensada. O autor construiu a música em cima dos movimentos dos bailarinos, depois que toda a coreografia estava pronta. Além disso, os passos foram construídos a partir de outras músicas, fazendo com que André captasse o sentido dos movimentos e os inserisse em novo contexto musical.

Atualmente, a 1º Ato possui 16 obras em seu repertório, tendo apresentado pelo Brasil apenas oito. Já foram a mais de 23 Estados brasileiros, entre capitais e diversas cidades do interior. Além de “Beijo... nos olhos... na alma... na carne”, de Rodrigues, a cia possui outros espetáculos considerados importantes, como “Isso aqui não é Gotham City”, inspirado nos quadrinhos; “Sem lugar”, que bebe na fonte da obra de Carlos Drummond de Andrade, falando de obsessão; e atualmente está prevista a estreia de “Adorno”, em julho, antes de encerrarem temporada.

A 1º Ato é formado pelos bailarinos - que vieram de todos os estilos - Ademilton José,  Alex Dias, Anderson Aleixo, Cibele Takeushi, Danny Maya, Luiza Brás, Marcela Rosa, Natália Mendonça, Nelson Brunon e Sara Mazon. Os ingressos já estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas, a partir de R$ 30. A oportunidade é única.