Publicidade
Entretenimento
Buzz

Hora certa para investir

Para ser competitiva em nível de preço, com os relógios de alta qualidade, a Touch Watches começou a produzir no Polo Industrial de Manaus (PIM) 05/02/2012 às 12:31
Show 1
Marcelo Di Giorgio afirma que a manutenção dos investimentos na Zona Franca são fundamentais para manter o crescimento do setor relojoeiro
Cimone Barros Manaus

Este mês, relógios da marca Touch Watches poderão ser encontrados com o selo Zona Franca de Manaus. A caçula das nove fabricantes do Polo Industrial de Manaus (PIM) investiu cerca de R$ 10 milhões para começar a produzir 5% dos relógios aqui, aproximadamente 65 mil. A expectativa é ter 80% da produção em Manaus nos próximos cinco anos.

Ano passado, a marca comercializou 1,3 milhão de relógios, todos importados, a maioria da China. “Se quisermos oferecer hoje um relógio premium, com mais qualidade ainda do que o que temos no mercado, temos de ser competitivos em nível de preço. E para isso, a única saída para as marcas de relógio é produzir em Manaus. Hoje a carga tributária para importação é muito alta", explicou um dos proprietários da marca, o diretor Marcelo Di Giorgio.

 Em Manaus são produzidos desde dezembro produtos mais sofisticados, como relógios de cerâmica, que só as grandes marcas têm, como Cartier, Chanel, e a atual linha Premium, que tem máquina japonesa ou suíça, de aço inoxidável, fibra de carbono, além de produtos com tungstênio e titânio. O escritório de desenvolvimento fica em Barcelona - que fomenta toda a parte de moda e tendência - apoiado pelo escritório no Rio de Janeiro.

A marca possui ainda uma rede de suprimentos que fornece bateria e maquinário do Japão, e o restante de insumos da China. “Aqui faremos a montagem dos relógios, como quase todas as fábricas”, disse Giorgio, lembrando que a planta também produzirá para outras marcas, como Renner, Cobra D'Água e outros parceiros.

A Touch promete colocar os relógios Made in Manaus no mercado com redução de preço de 30%, em média, em relação aos modelos concorrentes semelhantes. Hoje, a marca possui mais de mil modelos de relógio, sendo lançados dois por dia, com preço médio do ticket de R$ 140 e expectativa de aumentar para R$ 200 este ano.

Lançada em 2009, como franquia, a marca posicionou seu produto para o público jovem e para a classe C, que já representa mais de 50% da população brasileira, mas “têm restrições psicológicas ao modelo tradicional de venda de relógio”, em relojoaria. A empresa quebrou o paradigma da porta da loja e vende em quiosques, que trabalham com apelo do marketing sensorial, cheiros e sentidos.

Para atingir os 80% dos relógios em Manaus, a empresa que está instalada provisoriamente numa fábrica alugada no bairro Cachoeirinha, aumentará sua infraestrutura, construindo a primeira fábrica auto-sustentável no setor até o final de 2014 nos padrões do selo U.S.Green Building Council no PIM. Depois, investirá ainda mais na produção, tecnologia e adoção de novas técnicas. O investimento é de aproximadamente R$ 80 milhões.

Estratégia

 A Touch lançou, no ano passado, a coleção de óculos para “venda casada” e pretende adicionar ao mix de produtos os aparelhos MP4, como um acessório para o relógio e com vídeo e música de artistas. Falta encontrar uma empresa parceira para colocar o projeto no mercado.

A estratégia da empresa é licenciar produtos e se associar marcas, personalidades e artistas, como Bernardinho, Caio Castro, Romero Brito, Claudia Leitte, Hello Kity, entre outros.