Publicidade
Entretenimento
Buzz

Jon Bon Jovi ainda tem o título de ‘o melhor cabelo do rock’

 Depois de 130 milhões de álbuns vendidos e meio século depois, o cantor ainda comemora o título 02/03/2012 às 13:25
Show 1
Jon Bon Jovi
Paulo Ricardo/UOL ---

Ano do Tigre no horóscopo chinês, 1962 marcou o lançamento do primeiro single dos Beatles, “Please, please me”, em outubro, entre outras coisas. E hoje, dia 2 de março, há exatos 50 anos, nascia John Francis Bongiovi Jr., sim, um daqueles casos, como Sade, onde o nome do (a) vocalista é também o nome da banda. Pop, rock, country, farofa, poser, você pode chamá-los do que quiser. Depois de 130 milhões de álbuns vendidos, quem se importa... Mas, na dúvida, você pode chamá-los simplesmente de... sucesso!

Jon Bon Jovi é uma figura. Parece que anda meio aborrecido por ainda (eu disse  “ainda”) não ter sido indicado para o Rock’n’Roll Hall of Fame da revista "Rolling Stone". Imagino suas rugas de preocupação.  Bem, não se pode ter tudo... Jon é um alvo fácil. Talvez a melhor definição que tenha ouvido dele tenha sido “o melhor cabelo do rock”.

Olha, eu não sei quantos anos você tem, mas, caso não saiba, o cabelo sempre teve uma enorme importância no rock’n’roll! Ok, você acha que estou de sacanagem. Acompanhe meu raciocínio. Beatles (again), suas indefectíveis franjinhas (Pete Best não tinha uma e veja só o que aconteceu...). Little Richard e seu cabelo “pompadour”.  Os cabelos na cintura dos hippies (já viu “Hair”?). O moicano dos punks. Os skinheads (autoexplicativo). Quer mais? Robert Plant do Led Zeppelin. As meninas do B-52’s. Os Flock of Seagulls (dá um Google). Os mullet do RPM (ops!). Enfim, ser chamado de melhor cabelo do rock não é pouca coisa. Ainda mais nos anos 80, a era dos cabelossauros do Poison, Whitesnake, Twisted Sisters e outras aberrações capilares. Mas, folículos à parte, Jon forjou sua lenda firmemente enraizado na cultura americana.

Misto de James Dean, Robert Redford, Marylin Monroe e Wanderléa (hahaha não resisti), Jon é um tipo de Justin Bieber dos anos 80. Talentoso, determinado, faria sucesso com ou sem a banda. Mas vive o sonho dourado do rock à todo vapor. Pra quem não sabe, é casado há quase 30 anos com a mesma mulher, Dorothea, professora de caratê (uia!), e é absolutamente obcecado por trabalho. Fomos da mesma gravadora por dez anos. Esteve no Faustão. Quer mais obcecado que isto? Disciplinado, focado, segue rigorosamente a cartilha do rockstar. Fez filmes, causas sociais, esportes etc. Eu brindo à isso!

E brindamos todos, hoje, aos 50 do ídolo! Como diria Raul Gil, eu tiro meu chapéu para Jon Bon Jovi! Parabéns, moleque!