Publicidade
Entretenimento
Buzz

Julianne Moore vive Sarah Palin para um filme da HBO

"Game Change" conta como foi a campanha presidencial de 2008 para a qual Sarah Palin, então uma desconhecida governadora do Alasca, foi escolhida como vice do senador John McCain na disputa pela Casa Branca, vencida pelo democrata Barack Obama 08/03/2012 às 16:48
Show 1
A atriz Julianne Moore na estreia do filme “Game Change”, no Ziegfeld Theater, Nova York (07/03/2012)
AFP ---

WASHINGTON, 8 março 2012 (AFP)

A atriz americana Julianne Moore vive com um impressionante mimetismo a republicana ultraconservadora Sarah Palin no filme para a televisão "Game Change", programado para sábado no canal americano HBO, que mostra como foi a sua campanha à vice-presidência dos Estados Unidos em 2008.

O filme vai ser apresentado em pré-estreia nesta quinta-feira em Washington, mas os ultraconservadores já se adiantaram em suas críticas ao filme - sem tê-lo assistido.

"Game Change" conta como foi a campanha presidencial de 2008 para a qual Sarah Palin, então uma desconhecida governadora do Alasca, foi escolhida como vice do senador John McCain na disputa pela Casa Branca, vencida pelo democrata Barack Obama.

Sarah Palin ficou conhecida por suas gafes e sua figura polêmica fez com que vários eleitores se afastassem em uma campanha muito acirrada.

Ela garante que o filme, que a mostra à beira de uma crise de nervos antes de um debate entre candidatos à vice-presidência, é "uma falsa representação" da campanha e que ela não lembrava disso.

"Não vou assistir a esse filme, nem o senador John McCain", declarou ela à rede conservadora Fox News.

"Nós conversamos e consideramos que as mentiras de Hollywood continuam sendo as mentiras de Hollywood", acrescentou, afirmando que o filme, produzido por Tom Hanks, tenta favorecer Obama, candidato à reeleição em 6 de novembro.

Segundo ela, o canal HBO, que vai apresentar o filme no sábado à noite, é "muito de esquerda e muito favorável a Barack Obama".

A atriz Julianne Moore ("Boogie Nights - Prazer sem limites", "Magnolia", "Longe do paraíso", "As Horas") que ficou na pele de Sarah Palin, que ela conseguiu viver com grande atuação, com uma "linguagem corporal" de um mimetismo impressionante.

Para John McCain, o filme "é baseado em um livro cheio de citações anônimas e de coisas que nunca aconteceram", declarou à CBS News.

Mas seus assessores, principalmente seu ex-responsável por estratégia, Steve Schmidt, garantiu ao Los Angeles Times que o filme "conta a verdade sobre a campanha. É a história da forma como aconteceu".