Publicidade
Entretenimento
Maxiacessórios em voga

Maxiacessórios podem ser usados mas com moderação

Os acessórios com personalidade são os queridinhos de muitas mulheres e devem reinar ainda por muitas temporadas, dizem as especialistas 15/05/2012 às 10:33
Show 1
O colar de caveiras da Butter & Wilson é o novo xodó da universitária Clotilde Castro
Luciana Santos Manaus

A tendência dos maxiacessórios reina absoluta há algumas temporadas e deve permanecer em alta por um bom tempo. Isto é o que garante a consultora e pesquisadora de moda, Mey Leng Chan, que estará em Manaus em junho durante a feira “Bem Estar Amazônia”. A profissional explica que o “exagero” no visual veio à tona com a volta do minimalismo no vestuário, ocasionado pelo momento de recessão mundial. Com roupas mais simples, o uso de acessórios imponentes tornou-se essencial. “Nesse período cresceu a abertura de lojas de acessórios. Com roupas mais lisas, para diminuir os custos, o uso de acessórios exagerados deixou de ser um pecado, para ser uma virtude”, afirma.

A profissional esteve recentemente em Nova Iorque, Tóquio, Barcelona, Londres, Madrid e Istambul e garante que a moda deve continuar colorida. Segundo ela, vale a pena continuar investindo no color-blocking, glitter, em bolsas e sapatos com estampa de cobra, carteiras em tamanhos variados, acessórios com caveiras, mix de pulseiras e nos maxicolares e maxianéis. Quanto aos metais usados nos acessórios, Mey diz que o dourado é o mais indicado, sendo seguido pelo rose. “O prata está em baixa”, ensina.

 Sapatos

A universitária Clotilde Miranda Monteiro de Castro possui um visual clean, mas diz que, de vez em quando, é bom abusar. Fã declarada de sapatilhas, ela comemora as novidades de estampas e detalhes. “No caso das sapatilhas, acho que é bom para quebrar essa discrição do dia a dia. Para ser confortável não precisa ser necessariamente simples, então essas inúmeras caveiras, brilhos, pedras as deixam perfeitas para um coquetel ou uma festa mais informal”, observa.

Divertidos

Na opinião da juíza de direito Naira Oliveira Norte, os maxi acessórios são perfeitos para incrementar o visual, até mesmo as roupas de trabalho. “Não sou de seguir moda cegamente, mas essa tendência de acessórios maiores é algo que me agrada bastante. Gosto muito de maxicolares e plataforma e os uso no dia a dia. Acho que é uma tendência que renova, que dá um up no nosso visual”, conclui.

Simbolismo das peças

A psicanalista Lília Barros explica que o uso de acessórios marcantes possui todo um simbolismo emocional, psicológico e social. “Não é uma questão só de tamanho, mas também de referência, de simbolismo. Marca determinados comportamentos ou missões, aquilo que o ser acredita e acaba agregando determinadas facções ou famílias em busca disso”, ensina.

Ela lembra que em grandes civilizações, os acessórios eram utilizados como símbolo de poder e também de saúde, porque acreditava-se no poder curativo de metais e pedras. “Eles nos equilibram energeticamente, o que já foi comprovado pelas neurociências. Ajudam a manter a energia edificante, nos deixam de bom astral”, observa.

Quanto a escolha entre objetos discretos ou chamativos, ela diz ainda que as pessoas acabam escolhendo, ou não, um determinado acessórios de acordo com seus bloqueios ou preferências pessoais. “Normalmente as pessoas que se dizem tímidas e que não gostam de acessórios, na verdade não é que não gostam; ou não conheceram ou não gostaram da experiência. Elas, na verdade, são extremamente bloqueadas e acham que tudo aquilo que chame a atenção pode dar vazão a elas e elas não teriam capacidade emocional de gerir isso”.