Publicidade
Entretenimento
Vida

Movimentos e cores com ritmo amazônico na dança do ventre

Essa nova montagem é composta de movimentos tradicionais da dança do Ventre com a ritualista dos movimentos existentes na região Amazônica. Trabalho pode ser apreciado no V Festival Belly Dance Jungle, no próximo dia 15 de Setembro, que vai acontecer no Teatro Direcional, 13/09/2012 às 17:18
Show 1
O Show 'Óasis Amazônico, conto e encanto' será apresentado no V Festival Belly Dance Jungle
Bruna Souza Manaus, Am

Sensualidade, mistério, ousadia e ritmo envolvente são os principais ingredientes que fizeram com que a dança do ventre atravessasse milênios até os dias atuais. Seja pelo olhar penetrante, os movimentos que transmitem leveza, pelos sons oriundos do chacoalhar das pedrarias, o uso ou não de acessórios como a espada, o véu, o bastão, a adaga, o candelabro ou a cobra. Os elementos fazem parte do cenário que compõem a magia, inspirados em imagens da natureza e que representam a vida e o espiritualismo na cênica produzida pelo corpo.

 Esse ritmo é originário do continente africano, historicamente já mexe com o imaginário das pessoas há muito tempo, entre os anos 5.000 a 7.00 a.C. No inicio a dança nas civilizações babilônica e egípcia aconteciam dentro dos templos e era considerada como canal entre os deuses e os mortais. A popularização e as mudanças na dança que deixa de ser um elemento sagrado, ritualístico e místico, ocorreram a partir dos faraós, que ao se colocarem como os verdadeiros deuses, trouxeram a dança para dentro dos palácios. Os benefícios trazidos pela dança são inúmeros para o corpo, além de resgatar a feminidade e a beleza da mulher.  

No Amazonas

Na capital amazonense a dança é representada pela coreógrafa e proprietária da Casa de Ísis, escola de dança do ventre tradicional, Maíse Ribeiro. Fundadora da primeira Escola de dança do ventre tradicional e moderna do Amazonas e 25 anos de carreira, especializou-se com a mestra Hayath El Helwa nas redes de escolas Luxor, localizada  em São Paulo, onde atuou como professora no ano de 2004. Ao voltar para o estado, Maíse além da dança tradicional, inovou com um novo formato na dança do ventre, exaltando os traços regionais e indígenas.

Mistura de ritmos

Essa nova montagem trabalhada pela bailarina, é composto de movimentos tradicionais da Dança do Ventre com a ritualista dos movimentos existentes na região Amazônica. Sons produzidos pela mata e instrumentos que tiram as notas musicais de forma artesanal, compõe a sinfonia quase que hipnótica e terapêutica dos que admiram o trabalho da coreografa. Os grupos Raízes Caboclas e Remanso liderado por Eliberto Barroncas e a intérprete da música Amazonas de Chico da Silva, Ana Cláudia Ribeiro, são parceiros deste novo trabalho de Maíse Ribeiro que já acumula vários prêmios no circuito nacional e uma apresentação especial, através do convite da mestra egípcia Haquia Hassa, no Festival Ahlan Wa Sahlan no Cairo que acontecerá no ano de 2013.

A bailarina é a campeã Brasileira de dança do ventre na categoria profissional sênior de 2012 do Mercado Persa, maior evento de dança do ventre da América latina, com a montagem do espetáculo de dança com roupagem regional e foi à convidada de honra do I Festival de Dança do Ventre em maio deste ano no teatro Margarita Xirgo, em Buenos Aires - Argentina.  

A Casa de Ísis é a escola número um da região Norte e oferece cursos de dança do ventre tradicional, aero ventre e Belly Dance Kids.

V Festival Belly Dance Jungle

Hoje a coreografa junto com sua Cia Belly Dance Jungle, realizam apresentações divulgando essa fusão de estilos, a tradicional dança Árabe com a cultura amazônica em comunhão com a origem dessa arte milenar. E este trabalho pode ser apreciado no V Festival Belly Dance Jungle, no próximo dia 15 de Setembro, que vai acontecer no Teatro Direcional, localizado no Shopping Manauara. A equipe da revista Shimmie, maior mídia imprensa do segmento da dança do ventre na América Latina, estará presente na cobertura completa do evento e junto com Maíse Ribeiro entregarão a 12° edição, onde a idealizadora do evento estampa a capa.

O festival começará às 10h com o workshop  da bailarina Aysha Almeé com o tema “balady” e um grande espetáculo dividido em dois atos: Show  "Das Estrelas" E  Show “Oásis Amazônico, conto e encanto”, ás 20h, que contará com um elenco e 137 bailarinos da região Norte e do cenário da dança do ventre nacional e internacionais. Entre os artistas confirmados estarão: as alunas da Escola Casa De Ísis (AM), com participação especial da Cia Belly Dance Jungle (AM), o bailarino Heveraldo Pereira (AM), o grupo Gald (AM), o grupo Folclórico Palestina Gaza (AM), a dupla Adrielly Gracielly e Maico Muniz (AM), as bailarinas Thaty Libbah (AM), Adriana Amazonas (AM), Aysha Almeé (SP), Rhazy Manat (SP), Karol Reis (SP), Paolla Buracoff (SP), Francine Jelaleti (SP), Linda Hathor (PR), Claudeanne  Polack (PA) e o bailarino Márcio Mansur (SP), recém chegado do Egito e vai apresentar um espetáculo  de dança masculina e feminina, conhecida como Said, que é uma dança realizada com dois bastões.

Preparativos

Os preparativos já começaram e a preparadora física e bailarina Karol Reis, já está em Manaus. A bailarina é responsável por cuidar da reabilitação de bailarinos árabes em seu Studio de Pilates, veio direto de São Paulo e está realizando uma preparação física com as bailarinas, na Casa de Isis. O V Festival de Belly Dance Jugle promete proporcionar ao público amazonense, um momento único com o belíssimo show de ritmos, da dança do ventre com a poesia e música da nossa terra.