Publicidade
Entretenimento
NO TEATRO AMAZONAS

Musical que une tradição natalina à Amazônia estreia no domingo (17)

Espetáculo "Ceci e a Estrela, o Natal na Floresta" será apresentado no Teatro Amazonas em duas sessões. Entrada é gratuita e musical vai até o dia 23 de dezembro 15/12/2017 às 10:48 - Atualizado em 15/12/2017 às 10:53
Show musical
Alunos do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e outros núcleos fazem parte (Foto: Divulgação)
Laynna Feitoza Manaus (AM)

Uma menina chamada Ceci mora no interior do Amazonas com a mãe e sente falta do pai, que mora em Manaus. Ao montar a árvore de Natal com a mãe, ela diz à filha que existe uma estrela realizadora de desejos. É aí que a menina, com a ajuda dos amigos boto, sumaumeira e uirapuru, parte em uma saga floresta adentro, em busca dessa estrela. Será que a estrela de Natal vai realizar o maior desejo da pequena? Quem assistir ao espetáculo “Ceci e a Estrela, o Natal na Floresta’, que estreará no domingo (17), no Teatro Amazonas em duas sessões: às 18h e às 20h, e vai até o dia 23, vai solucionar o mistério.

A obra possui direção geral de Jorge Kennedy, direção teatral e texto de Tiago Oliveira, produção musical de Paulo Marinho e direção musical de Davi Nunes, e misturará a tradição natalina às características da Região Amazônica. Na busca de Ceci pela floresta, trechos como a anunciação de Jesus virão à tona. “Ao encontrarem a estrela, que marca o local do nascimento do menino Jesus, eles entendem a mensagem de Natal”, declara Jorge.

Ceci será vivida pelas cantoras Yasmim Larissa e Lunna Beatriz, em momentos intermediários. Com 130 pessoas, o elenco é composto por membros do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro; Corpo de Dança do Amazonas; Balé Folclórico do Amazonas, Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica, entre outros núcleos de arte. A dança e a música também fazem uso de características amazônicas. “Ao todo, são 25 bailarinos no palco. Os ritmos variam entre ciranda, toada, gambá, beiradão e marabaixo”, pondera Kennedy.

A cenografia do espetáculo, segundo o diretor, é montada a partir da transparência de painéis de plástico, que criam camadas e dão a sensação de imagem em 3D. Ao todo, foram dois meses divididos entre os processos de criação, produção e finalização. “No cenário, temos a visualização de uma paisagem no interior com as árvores e lagos. Quando as árvores ‘sobem’, temos uma visão de Belém, com a chegada do menino Jesus”, coloca ele.

Trilha original

O compositor, maestro e arranjador Paulo Marinho é um dos responsáveis pela trilha sonora da obra, que possui 15 músicas compostas especialmente para o espetáculo; e duas tradicionais, como “Canção dos sinos” (Carol of the Bells), de Mykola Leontovych, e “Noite Feliz” (Silent Night), de Franz Xaver Gruber. As duas canções, porém, serão rearranjadas aos gêneros musicais da Amazônia. “Tudo somado ao glamour da sonoridade da nossa orquestra”, pondera ele.

De acordo com Paulo, todo o trabalho de criação musical durou 29 dias e, ao todo, são 2.898 partituras. Em alguns momentos, a união de vários ritmos se faz presente. “Um exemplo é a música dos povos, que vem de uma conversa bíblica entre Maria e Isabel. Após o diálogo, entram todos os povos para oferecer uma mesa farta e matar a fome do mundo”, conta ele.

A música deste momento começa com um estilo andino, representando a cultura indígena, depois se transforma numa linguagem asiática. Marinho explica que a cruzada de uma música se transforma em diversas com o decorrer da cena. “Depois da parte asiática, ela vira uma coisa afro. A cênica e a rítmica da mesma música se transforma em várias músicas, e depois em uma música só. Por último, essa música assume uma sonoridade hispânica”, ressalta o compositor.

Figurino elaborado

Outro destaque do espetáculo é o seu figurino, concebido pela figurinista Juliana Mascarin em parceria com Jorge Kennedy, o diretor do projeto. Para o vestuário foram criados 43 croquis entre protagonistas e coros (cada figurino de coro atende em torno de 10 personagens). “De forma que teremos em cena mais de 200 figurinos entre os desenvolvidos e os disponíveis no acervo, que foram organizados de acordo com a proposta do espetáculo”, comenta ela.

O figurino, segundo ela, foi desenvolvido a partir das descrições contidas no texto, das músicas compostas especialmente para o espetáculo e constituído por uma miscelânea de referências regionais, universais, étnicas e até inspiradas em obras de arte. “Essas referências foram reunidas e pensadas a partir de uma perspectiva lúdica, criativa e com um toque de encanto, afinal a aventura de Ceci é vivida e imaginada por crianças”, destaca ela.

“A proposta é de que os figurinos estimulem a emoção, alegrem o olhar do espectador, tragam encanto e inspirem imaginação”, completa. O projeto faz parte da programação do “Natal com + amor”, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC) em parceria com o Fundo de Promoção Social (FPS).

Serviço

O quê: Musical “Ceci e a Estrela, o Natal na Floresta”

Onde: Teatro Amazonas (Av. Eduardo Ribeiro, 659, Centro

Quando: Dias 17, 19, 22 e 23 de dezembro, em dois horários: às 18h e às 20h; dias 20 e 21, somente às 20h

Quanto: Gratuito