Publicidade
Entretenimento
Vida

'O Artista' se consagra e vence o prêmio de melhor filme do Oscar 2012

"O Artista" se consagrou como produção do ano e venceu o prêmio de melhor filme do Oscar 2012. O filme francês ficou com cinco estatuetas, mesmo número de "A invenção de Hugo Cabret", de Martin Scorsese, mas venceu nas categorias artísticas, como melhor direção (Michel Hazanavicius) e ator (Jean Dujardin), além de figurino e trilha sonora original. "Hugo" ficou com efeitos visuais, fotografia, direção de arte, mixagem e edição de som. O prêmio de melhor atriz ficou com Meryl Streep, em sua 17ª indicação. Foi a terceira estatueta que a atriz levou para casa 27/02/2012 às 00:39
Show 1
O filme mudo francês "O artista" é um dos favoritos ao premio
Divulgação Uol, ---

Tom Hanks foi o escolhido para apresentar os primeiros prêmios do Oscar 2012, neste domingo (26), de melhor fotografia e melhor direção de arte. “A invenção de Hugo Cabret” levou as duas estatuetas.

Cameron Diaz e Jennifer Lopez foram as apresentadoras do prêmio de melhor figurino. Mark Bridges, de “O Artista” levou á estatueta. Em seguida, elas entregaram o prêmio de maquiagem para Mark Coulier e J. Roy Helle, por “A Dama de Ferro”.

Sandra Bullock subiu ao palco do Oscar 2012 para premiar o vencedor na categoria de melhor filme estrangeiro. O prêmio ficou com "A Separação”, do iraniano Asghar Farhadi. O filme já havia levado o Urso de Ouro em Berlim 2011 e o Globo de Ouro de melhor filme em língua estrangeira.

Christian Bale, premiado como melhor ator coadjuvante em 2011, foi o escolhido para apresentar o prêmio de melhor atriz coadjuvante, que ficou com Octavia Spencer, por "Histórias Cruzadas”. É o primeiro Oscar da atriz.

A comediante Tina Fey e o ator Bradley Cooper foram chamados para apresentar o prêmio de edição, que ficou com Kirk Baxter e Angus Wall, por “Millennium – Os Homens que não amavam as mulheres”. Os dois editores venceram na mesma categoria no ano passado por “A Rede Social”, também dirigido por David Fincher.

Fey e Cooper também apresentaram o prêmio de melhor edição de som, que ficou com “A invenção de Hugo Cabret”. A dupla de apresentadores entregou em seguida o prêmio de melhor mixagem de som para Tom Fleischman e John Midgley, também por "Hugo".

"Undefeated", de TJ Martin, Dan Lindsay e Richard Middlemas venceu o prêmio de melhor documentário, desbancando "Pina", do alemão Wim Wenders. Gwyneth Paltrow e Robert Downey Jr., par romântico de "Homem de Ferro 2", foram os apresentadores do prêmio. Robert subiu ao palco dizendo que estava filmando um documentário, chamado "O Apresentador".

“Rango”, de Gore Verbinski, foi o vencedor do Oscar de melhor animação. "Me perguntaram se 'Rango' era um filme para crianças. Eu não sei. O que eu sei é que é um filme feito por um monte de adultos se comportando como crianças", disse o diretor em seu agradecimento. O comediante Chris Rock, que já deu voz a diversos personagens animados, entregou o prêmio da categoria.

“A invenção de Hugo Cabret” (Rob Legato, Joss Williams, Ben Grossman e Alex Hennemg) ficou com o prêmio de melhores efeitos visuais. Foi o quinto prêmio do filme de Scorsese, que ganhou ainda o Oscar de fotografia, direção de arte, mixagem e edição de som. Ben Stiller e Emma Stone foram os apresentadores do prêmio.

Confirmando as expectativas, Christopher Plummer ficou com o prêmio de melhor ator coadjuvante por "Toda Forma de Amor". Foi o primeiro Oscar do ator de 82 anos. A estatueta foi entregue pela atriz Melissa Leo, vencedora do Oscar de atriz coadjuvante em 2011, como manda a tradição dos prêmios da Academia.

Ludovic Bource ficou com o Oscar de melhor trilha sonora original por “O Artista”. Foi o segundo prêmio do filme na noite, que também ganhou o Oscar de figurino. Penélope Cruz e Owen Wilson, estrelas dos dois últimos filmes de Woody Allen, entregaram a estatueta.

O Oscar de melhor canção original ficou com "Os Muppets", por "Man or Muppet", deBret McKenzie, que derrotou "Real in Rio", de “Rio”, música de Sergio Mendes e Carlinhos Brown com letra de Siedah Garrett.

“Os Descendentes” ganhou seu primeiro Oscar da noite, de melhor roteiro adaptado para Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash. Payne agradeceu em havaiano e dedicou o prêmio à mãe. Woody Allen ganhou o prêmio de roteiro original por “Meia-Noite em Paris”, mas não compareceu à cerimônia para receber seu Oscar. Angelina Jolie foi a apresentadora do prêmio.

O irlandês "The Shore" (Terry George e Oorlagh George) ganhou o prêmio de melhor curta-metragem. Já o prêmio de documentário curta foi "Saving Face", de Daniel Junge e Sharmeen Obaid-Chemoy, sobre mulheres atacada por ácido no Paquistão. O Oscar de curta de animação ficou com "The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore", de William Joyce e Breon Oldenburg.

Michel Hazanavicius ganhou o Oscar de melhor direção por "O Artista". Foi o terceiro prêmio do filme na noite - já havia recebido o Oscar de figurino e trilha sonora original -, que teve um total de dez indicações e ainda pode ganhar o Oscar de melhor filme e melhor ator. O ator Michael Douglas entregou o prêmio.

Jean Dujardin ganhou o Oscar de melhor ator por “O Artista”. Foi o quarto prêmio do filme francês, que também levou direção, figurino e trilha sonora original. O ator francês dividia as atenções com George Clooney, que concorria por “Os Descendentes”. Seguindo a tradição da Academia, a apresentadora foi a vencedora do Oscar de melhor atriz em 2011, Natalie Portman.

Apresentação
A cerimônia começou neste domingo, às 22h30, com vídeos que parodiavam os filmes concorrentes, estrelados pelo anfitrião da noite, o comediante Billy Crystal.

"Nada melhor para levar as preocupações para longe da crise econômica do que milionários entregando estátuas de ouro a milionários", foi uma das piadas de abertura de Crystal, antes de começar um número musical sobre cada um dos indicados a melhor filme. Depois de apresentar os dois primeiros prêmios, o comediante fez piadas sobre o nome do teatro que recebe o Oscar, que deixou de ser Kodak Theatre recentemente, e comentou que as pessoas não vão mais ao cinema.

Depois do prêmio de melhor atriz coadjuvante, Billy Crystal ironizou os testes de audiência que os estúdios fazem para ver como o público responderá a um filme e mostrou o "primeiro teste de audiência" da história, do clássico "O Mágico de Oz". As sugestões incluíam "cortar a música "Somewhere over the Rainbow" e eliminar o personagem de Dorothy.

Depois do prêmio de melhor ator coadjuvante, Crystal fez um número em que "advinhava" o que cada um dos indicados estava presente. Segundo ele, Scorsese estaria dirigindo mentalmente a cerimônia e o cãozinho Uggie, de "O Artista" só pensava "Se fosse meu, eu lamberia, se fosse meu, eu lamberia..."