Publicidade
Entretenimento
Parintins

Pratas do folclore: os parintinenses que vão brilhar nos carnavais do Brasil afora

A CRÍTICA lista os principais nomes do Caprichoso e Garantido, entre itens, ex-itens e artistas plásticos, que desempenham um belo trabalho nas escolas de samba de São Paulo e do Rio de Janeiro 29/01/2017 às 05:00 - Atualizado em 29/01/2017 às 11:30
Show 1485540621390965
Maria Azedo, Waldir Santana e Brena Dianná serão homenageados pela Imperatriz Leopoldinense
Laynna Feitoza e Artur Cesar Manaus (AM)

Que exportamos o talento parintinense para os carnavais do Rio de Janeiro e São Paulo, muita gente já sabe. Mas, especialmente em 2017, três figuras marcantes do Festival Folclórico de Parintins foram convidadas para desfilar pela Imperatriz Leopoldinense na Marques de Sapucaí, no Rio de Janeiro. Maria Azedo (ex-cunhã poranga do Caprichoso), Waldir Santana (ex-pajé do Caprichoso) e Brena Dianná (Rainha do Folclore do Caprichoso) vão interagir com a escola de samba na avenida ante o tema “A mística xinguana – o clamor que vem da floresta”.

Quem fez o convite aos três foi Cahê Rodrigues, carnavalesco da Imperatriz. Em entrevista ao BEM VIVER TV, ele afirmou que frequenta o festival folclórico há 10 anos e que sempre teve o sonho de trabalhar com um tema indígena. “Como o Waldir se despediu do item pajé depois de 30 anos, e Maria se despediu do item cunhã após 10, resolvi fazer essa homenagem a eles no Rio de Janeiro. Como tenho enredo indígena, criei um espaço para que pudéssemos homenageá-los e fazer uma despedida à altura do que eles representam e pela contribuição ao boi Caprichoso”, pondera o artista.

Brena, por sua vez, permanece Rainha do Folclore do bumbá azul, mas também será contemplada. “A Brena é um sonho de menina, uma menina linda que eu não ia deixar de fora dessas homenagens. Então mesmo com ela ainda sendo item do boi, eu também criei um lugar especial para ela no desfile”, destaca ele. Outro item do boi azul que faz parte do Carnaval da Imperatriz em 2017 é o levantador de toadas David Assayag, que interpretou o samba-enredo da escola, “Xingu, o clamor que vem da floresta”. Mas, segundo Rodrigues, a participação de David como puxador de samba na avenida ainda não foi confirmada pela diretoria da escola. 

“A direção da escola ainda estuda a possibilidade de trazê-lo para o dia do desfile. Ainda não temos essa confirmação por parte da diretoria da escola, mas a escola e eu temos esse desejo de ter o David no carro de som, ajudando a defender esse samba lindo que a Imperatriz vai levar”, comenta o carnavalesco. Já os três nomes do boi Caprichoso confirmados no desfile tem lugares criados especialmente para eles. “O Waldir virá no primeiro setor da escola, fazendo uma participação especial, trazendo a ala que tem o título ‘Nações Xinguanas’. Ele conduzirá um ritual na avenida, virá no chão”, pondera Rodrigues.

Já Brena Dianná será destaque central do segundo carro da escola. “Ela virá numa alegoria que vai falar sobre as belezas da fauna e flora xinguana”, diz ele. E Maria Azedo virá no quarto carro da escola, que fala sobre a luta dos índios pela não-construção da hidrelétrica de Belo Monte. “É a alegoria que traz o cacique Raoni como grande homenageado, e a Maria vem como uma guerreira kaiapó nesse carro”, comenta ele. Além de Maria, Brena e Waldir, outros artistas plásticos do touro negro fazem parte do Carnaval do Rio de Janeiro: Kennedy Prata é artista da Beija-Flor, Jucelino Ribeiro também é artista da Imperatriz, e Rossy Amoedo trabalha em cinco agremiações cariocas: Portela, Mangueira, Ilha do Governador, Grande Rio e Vila Isabel.

Povo de alma vermelha

O boi Garantido também tem a sua marca no Carnaval pelo Brasil. Denildo Piçanã, o tripa do boi vermelho, faz parte da equipe de artistas da escola de samba Padre Miguel; Anacleto Azevedo (in memorian) integrou o time da Acadêmicos do Tucuruvi; Agostinho Rodrigues integra o time da escola Gaviões da Fiel e Sorin Sena também trabalha na Acadêmicos do Tucuruvi. 

Para Agostinho – que atua há 24 anos no boi Garantido -  a diferença entre o Festival de Parintins e o Carnaval paulista é técnica. “Em São Paulo eles trabalham com módulos no carro alegórico, bem diferente de Parintins, onde se trabalha com muitas peças, são muitos módulos separados. O carro alegórico traz uma peça única. Já a alegoria do boi de Parintins tem vários módulos que vão acontecer na arena, que vão gerar movimentos ao decorrer da apresentação. No Carnaval, o carro é estático, com alguns poucos movimentos”, assegura Rodrigues.

Sorin Sena, também do Garantido, integra um núcleo da escola contratado para a execução dos trabalhos artísticos alegóricos. Em 2017, o tema da escola será “Artes na Rua”. Sorin está maravilhado com a movimentação carnavalesca. “Mas confesso que em Parintins a emoção é bem maior por estar em casa, onde estão alguns dos melhores artistas do mundo! E ter meu nome vinculado a esses grandes mestres, para mim é uma honra”, finaliza Sena. 

Artesã fará uma ala inteira

Uma das grandes surpresas do Carnaval do Rio de Janeiro este ano promete vir do trabalho de uma artesã parintinense Rafaela Souza, 32 anos. Trata-se da primeira mulher da cidade a comandar sozinha a confecção de uma ala inteira de uma escola de samba carioca, no caso, a Beija-Flor de Nilópolis, que homenageia na avenida o romance de José de Alencar “A Virgem dos Lábios de Mel – Iracema”. 

Rafaela conta que teve dois meses para confeccionar as 150 fantasias da ala. Para dar conta da encomenda especial feita por Cristiano Bara, membro da Comissão de Carnaval da Beija-Flor, a artesã contratou 150 trabalhadores de Parintins para lhe auxiliarem. 

Segundo Rafaela, que não pode mostrar muitos detalhes da fantasia para não estragar a surpresa do desfile, a própria Comissão de Carnaval acredita que essa ala coreografada é uma das grandes apostas da Escola para esse ano. “Posso dizer que ela é feita de sementes, penas e fios de tucumã”, revela a artesã.

Cristiano Bara fez o primeiro contato com Rafaela durante um Festival de Parintins. A artesã já trabalhou com esculturas em outras escolas do Rio de Janeiro e também de São Paulo, além de ter contribuído na confecção de alegorias dos bumbás. Eles foram apresentados pelo Seo Chiquinho do Babado, dono da rede de lojas Babado da Folia, que sempre leva representantes do Carnaval carioca para conhecer o espetáculo dos Bois Garantido e Caprichoso.  Rafaela está no Rio de Janeiro desde o último dia 21 trabalhando nos ajustes das fantasias nos componentes.