Publicidade
Entretenimento
Vida

'Projeto Musical da Esquina' mescla música e didatismo

As atividades do projeto acontecem uma vez por mês, com artistas que trabalham com o conceito instrumental de música, somado à didática das canções. Grupo Quarteto Bossa dará tom da bossa nova à obras da música popular amazonense e do boi-bumbá 30/10/2012 às 17:47
Show 1
Membros do Quarteto Bossa, que irão se apresentar nesta quarta (31) pelo 'Projeto Musical da Esquina'
Laynna Feitoza Manaus, AM

Composições musicais relacionadas aos conceitos didáticos da canção são foco do ‘Projeto Musical da Esquina’, realizado por meio do Sesc-AM com o apoio da Secretaria de Cultura do Amazonas. Nesta quarta-feira (31), o projeto apresentará o grupo Quarteto Bossa em um show gratuito instrumental, das 16h30 às 17h30, na Praça Heliodoro Balbi, s/n, Centro de Manaus.

O técnico de música do Sesc-AM e um dos executores do projeto, Genivaldo Almeida, afirmou que o projeto visa mesclar os serviços do Sesc com a divulgação de artistas musicais do estado.

“O Projeto Musical da Esquina tem como objetivo levar pro centro comercial de Manaus as informações e os serviços que o Sesc presta. Utilizamos desse artifício para mostrar também a produção musical do estado, e que estão buscando esse espaço. É uma forma de estarmos divulgando o trabalho do artista ao público que está nas dependências do centro comercial”, assegurou o técnico.

As atividades do ‘Projeto Musical da Esquina’ acontecem uma vez por mês, com artistas que trabalham com o conceito instrumental de música. Almeida explicou também que o objetivo das apresentações culturais transcende a música, alcançando o didatismo.

“Cada mês, nós convidamos um artista, ou um grupo que tenha um trabalho que enfoque a música instrumental. Os artistas que participam do projeto vão falar numa espécie de conceito didático, explicar sobre cada título e cada obra, e, na oportunidade, falarão um pouco sobre a música, evidenciando seus compositores e seus contextos”, elucidou Genivaldo.

Quarteto Bossa

O grupo que ministrará as apresentações musicais desta quarta (31) é o instrumental Quarteto Bossa. Composto por Binho Lopes nos teclados, por Marisson Souza, na guitarra, Neto Antunes na bateria e Márcio Moraes no baixo, o grupo possui um ano de estrada, e trabalha com a transposição de canções famosas para a bossa nova.

“O Quarteto Bossa surgiu de uma ideia que a gente teve, de ser instrumental, e pegarmos músicas de sucesso e fazermos uma versão delas em bossa. As músicas que foram marcantes no Brasil, além de sucessos internacionais, como Stevie Wonder e Michael Jackson, e redirecionamos pra bossa nova”, contou o baixista Márcio Moraes.

Sobre o estilo, Moraes assegurou que é preciso técnica apurada para desenvolver o som característico da bossa nova.

“A bossa nova é sofisticada, é o jazz brasileiro, e o estilo brasileiro mais complexo de tocar. Por isso, o músico tem que ter a ideia de que está tocando para o povo popular, tocar para o entendimento popular. Uma pessoa mais nova no estilo, por exemplo, não vai saber tocá-lo com a mesma delicadeza que alguém mais antigo na bossa nova”, certificou o músico.

Entre as músicas que estão no repertório da apresentação desta quarta (31), o baixista destacou Chico da Silva e algumas canções populares do boi-bumbá transpostas para a bossa nova, o que promete ser o grande diferencial do show.

“Pegamos uma música do Chico da Silva e demos uma cara de bossa. Estamos querendo dar uma leitura bossa a algumas músicas do boi-bumbá, como ‘Vermelho’ e ‘Vaqueirada’, do Garantido e ‘Tic Tic Tac’, do Carrapicho. Apesar da diferença, não tiramos a essência das músicas. Como a bossa em si descaracteriza algumas partes, procuramos deixar a essência das canções para que sejam reconhecidas”, ressaltou.

O método instrumental possui objetivos definidos no estilo do Quarteto Bossa, por ser capaz de evocar, indiretamente, a participação do público, de acordo com Moraes.

“Em um show, no Teatro do Sesc, voltado para o público da terceira idade, tocamos algumas canções antigas e eles cantaram, interagiram conosco. Esse é o grande barato e nosso objetivo: a interação”, finalizou Moraes.