Publicidade
Entretenimento
Prótese mamária

Proporcionalidade é o segredo para escolha da prótese de mama ideal

Especialistas tiram algumas dúvidas recorrentes sobre como escolher a prótese de mama mais adequada 09/07/2012 às 10:46
Show 1
Escolha da prótese deve levar em conta a proporcionalidade em relação ao corpo da mulher
Luciana Santos Manaus

Proporcionalidade é a palavra de ordem entre os cirurgiões plásticos quando se trata da escolha da prótese de mama ideal para cada paciente. Tal qual um artista que trabalha a harmonia das formas de uma escultura, o médico analisa detalhadamente as medidas do corpo da mulher, observando detalhes como altura e tamanho do tórax e quadril, para a partir daí ter uma indicação do melhor formato e volume para a paciente.

 “Ao examinar a paciente, o que é importante pra mim é avaliar o tamanho do tórax, a altura da paciente e também o quadril. O importante é ter proporcionalidade. Às vezes você encontra pessoas que são um pouco desproporcionais: ou a mama é grande demais, mas falta o glúteo; ou o glúteo é grande demais, mas falta a mama. Você pega esses aspectos e, diante disso, tem uma faixa limítrofe do que fica melhor para essa paciente”, explica o cirurgião plástico Jorge Cabral Neto.

Matemática

 Para saber este número com exatidão, o especialista diz que é preciso tirar as medidas da paciente, traçando inicialmente uma linha média do corpo.

 “Diante dessa linha, eu meço um centímetro de distância de um lado e de outro e marco. Meço a linha axilar anterior e diante dessa medida consigo saber exatamente a quantidade de mama que ela tem. Pego essa média e jogo nas medidas que tenho de diâmetro e a partir daí consigo saber a faixa de tamanho de prótese que se adéqua melhor”, ensina o médico cirurgião.

Modelos

 Quanto ao modelo, as próteses podem ter a base estreita ou larga e cada uma delas possui uma indicação que, se ignorada, pode resultar num visual artificial. As mais estreitas tendem a projetar os seios, já as mais largas tem o efeito contrário.

De acordo com Jorge Cabral Neto, as pessoas que têm o tórax pequeno ficam mais bonitas com próteses mais estreitas de base e as com tórax maior, com próteses largas.

 “Para as com tórax estreito fica feio quando a prótese é maior que o hemitórax (metade do tórax) e acaba saindo pela axila ou então ficam muito unidas. Numa paciente com o tórax largo, se eu coloco uma prótese estreita, vai ficar como se a mama dela fosse pequena para o tamanho do tórax que ela tem, então nesse tipo de paciente eu preciso do oposto, de uma prótese que tenha a base larga para ocupar todo aquele hemitórax”, explica, acrescentando que existe ainda o formato em gota ou anatômico, com a parte inferior maior que a superior, indicado para mulheres que desejam um resultado mais natural.

Perfil, desejos e limites

O perfil da candidata à prótese de mama é citado pelo cirurgião plástico Renato Gallo como outro ponto importante a ser verificado durante a consulta médica. “Costuma ser o meu primeiro passo. Procuro saber o que ela deseja como resultado final, se é algo mais chamativo ou apenas ficar melhor nas roupas. Definido o perfil, eu avalio o que ele já tem”, conta.

Quanto ao tamanho de prótese desejado pelas pacientes que o procuram, o especialista diz que as mais jovens e solteiras sonham com um volume entre 300 ml e 350 ml , enquanto as com mais de 45 anos, e que já amamentaram, preferem um volume menor, em torno de 240ml.

Postura

Questionado se há um volume limite, a partir do qual a prótese se tornaria prejudicial à mulher, o médico diz que é difícil definir um número exato, já que cada mulher possui um tipo físico diferente, mas revela que para evitar uma escolha errada da paciente, ele impõe o limite dentro da faixa adequada ao seu biótipo. “Estabeleço um limite mínimo e máximo e deixo que ela escolha a prótese dentro dessa medida, não deixo sair. Números exagerados podem sim prejudicar a postura, pois a prótese vai alterar o centro de gravidade do corpo, fazendo com que a mulher tenha dificuldade de ficar ereta”, afirma.

Próteses de teste

Seguido todo o processo de escolha da prótese ideal, ainda há a possibilidade de o profissional verificar, durante a cirurgia, se aquele é o melhor volume para a paciente.
“Eu sempre entro na cirurgia com próteses que chamamos de sizes, que são demonstrativas e descartáveis. Tenho a possibilidade de colocar lá e ver se vai ficar bom ou não”, conta Jorge Cabral Neto.