Publicidade
Entretenimento
ROMANCE

Romancista brasileira Cindy Stockler lança livro 'Callíope, a Escrava de Atenas'

A escritora quebra todos os conceitos com uma história enigmática e sofrida com toques do drama grego 08/11/2017 às 00:28 - Atualizado em 08/11/2017 às 09:54
Show 1111
(Foto: Divulgação)
Alexandre Pequeno Manaus (AM)

Monumentos, estátuas, ruas e vestimentas. A autora Cindy Stockler promove uma verdadeira viagem no tempo para 2.500 anos atrás para contar a história de Callíope, jovem vendida como escrava na época da Guerra do Peloponeso (431 a 404 a.C.), também conhecida como a Guerra Mundial da Antiga Grécia. A obra permite uma imersão no contexto educacional, cheio de explicações sobre a época e os costumes.

Em entrevista a A CRÍTICA, Cindy relata que "Callíope – a escrava de Atenas" foi sua primeira inspiração para escrever um romance. “A ideia original surgiu em minha mente apenas como algo muito vago, no primeiro ano da Faculdade de Direito, quando estudávamos Direito Romano. Naquelas aulas e com aquelas leituras, nós viajávamos para o mundo da Antiguidade, sob a ótica do Direito, é claro, mas as informações que os livros nos davam sobre aquela época me levavam a imaginar como seria a vida de verdade daquelas pessoas, seu cotidiano, seus problemas - esse tema me chamou muito a atenção", afirma

Anos mais tarde, de acordo com a autora, bastante envolvida com a Grécia, o enredo para o romance lhe surgiu. "Foi como se a estória do livro me viesse como num download instantâneo: começo, meio e fim. A mim só restou sentar-me e começar a escrever. Não sem iniciar uma imensa e profunda pesquisa, com vários livros e mapas espalhados ao redor de minha mesa de trabalho, e quanto mais eu pesquisava, mais ia enriquecendo a estória do livro: a ponto de eu mesma ter que me dizer 'Agora chega, senão vai virar uma enciclopédia!'", brinca a autora.

Pesquisa

Apesar de ficcional, a obra relata com fidelidade os costumes da época, e para isso, a autora afirma que navegou num intenso processo de pesquisa. "Foi a parte mais interessante! Meu conhecimento do tema era apenas aquele superficial, que estudamos na escola e mais tarde, na Faculdade. E era da parte prática da vida na antiguidade, sob o aspecto jurídico. Saí à caça de livros mais especializados, comprei uns, tirei outros em diversas bibliotecas, fiz muita pesquisa na Internet, falei com professores, estudiosos, gregos, todas as pessoas que encontrei e que poderiam me abrir mais a mente e os horizontes", explica.

Cindy diz que a pesquisa foi tão intensa que a editora Letras do Pensamento decidiu publicar os dados e informações confirmadas em forma de apêndice enumerado, conforme cada um dos temas fosse mencionado na narrativa de Callíope.

Sinopse

O orgulho e a raça das mulheres de Atenas se projetavam para além do desejo de construir uma família aos moldes da sociedade, elas mantinham a certeza de que aquela forma de viver as manteriam seguras, mas não foi assim com Callíope. Bonita, aos 15 anos foi entregue a um homem mais velho, conforme os costumes da época, porém o destino não deixou que se cumprisse. Callíope, em meio à confusão da Guerra do Peloponeso e ataques espartanos, num revés inesperado, é vendida como escrava. Longe da família, sem ninguém, não mais dona de seu próprio corpo, subjugada à ira do capataz que a odeia, sendo obrigada a ações humilhantes e assediada por ricos cidadãos que desejam seus “favores”, a jovem helênica enfrenta tudo de cabeça erguida, em seu coração, sempre prevalecendo a honra de seus pais.