Publicidade
Entretenimento
Vida

Rumos Dança Itaú Cultural premia artista amazonense

A amazonense Damares D’Arc é uma das premiadas da edição deste ano com o projeto CoLABoratório 29/09/2012 às 10:45
Show 1
Itaú Cultural premia artistas do Amazonas
Gabriel Machado Manaus, Am

Foram necessários 549 inscritos – dos 27 Estados brasileiros –, para a edição de 2012-2014 do Rumos Dança Itaú Cultural chegar ao resultado final de 31 premiados. Entre os felizardos, que receberão uma quantia significativa em dinheiro para darem continuidade a seus projetos no campo da Dança, destacam-se dois nomes: o cearense João Fernandes e a amazonense Damares D’Arc.

O prêmio é concedido pelo Instituto Itaú Cultural. Para Fernandes, diretor geral do Mova-se Festival de Dança, evento que chegou a sua terceira edição este ano, o reconhecimento serve para coroar os trabalhos que vem realizando ao longo dos anos.

 “É uma grande satisfação para mim, saber que estou no caminho certo”, destacou ele, que atua, ainda, como professor dos cursos de Teatro e Dança da Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Segundo ele, o prêmio, além de ajudar em seus projetos, também é de extrema importância na divulgação de seus trabalhos em outras cidades do Brasil.

“Isso é muito bacana, porque, às vezes, é comum nos sentirmos isolados, e um reconhecimento desse possibilita não apenas que outras pessoas vejam os seus projetos, mas também que haja a troca de conhecimento entre artistas de outros cantos do País”, declarou o professor, premiado na categoria Dança para Formadores do Rumos Dança 2012-2014.

Residência em SP Enquanto Fernandes pensa um pouco na melhor forma de usar o seu prêmio, a professora de Dança e Performance Damares D’Arc está de malas prontas para São Paulo. Vencedora no grupo Residência para Criadores, ela passará um período de três a seis meses na capital paulista, onde estudará com o japonês Toshiyuki Tanaka, tudo bancado pelo projeto. “Estou muito animada e feliz, só espero coisas boas dessa experiência.

Tenho certeza que acrescentará e muito em minha formação artística, pois terei novos contatos e conhecerei novos horizontes”, revelou a professora, que estudará técnicas de estudos de movimentos que buscam a percepção do corpo. Apesar da gratificação, esta não é a primeira vez que Damares parte rumo a outra cidade do País.

Nos anos de 2009 e 2010, a professora realizou duas viagens de intercâmbio, como parte do projeto CoLABoratório. “Em 2009 fui estudar no Rio de Janeiro e, no ano seguinte, parti para Luís Correia e Parnaíba (PI) e, novamente, Rio”, completou.

Acostumada a esse tipo de experiência, Damares espera que mais projetos assim sejam realizados no Estado. “A nossa situação já melhorou bastante, porém, ainda falta um incentivo maior neste campo, é de extrema importância na formação do artista essa troca de experiências e culturas, pois amplia a nossa possibilidade de criação”, finalizou. .