Publicidade
Entretenimento
Vida

Saiba como proteger seu filho dos perigos da internet

Desenvolver a responsabilidade dos filhos e, à medida em que crescem, aumentar aos poucos o leque de sites é a melhor alternativa 13/05/2012 às 16:07
Show 1
Internet pode ser uma rica fonte de informações, mas crianças e adolescentes devem ser orientados
Katia Deutner/UOL ---

Crianças e adolescentes devem ter limites. Principalmente na internet. Mas o que podem acessar e até qual idade devem ser supervisionados? “A internet não deve ser vista como um monstro pelos pais", explica a psicóloga Elisa Villela. "Ela pode ser uma rica fonte de informações e descobertas, mas há cuidados a serem tomados”. Desenvolver a responsabilidade dos filhos e, à medida em que crescem, aumentar aos poucos o leque de sites é a melhor alternativa. Também é uma questão de segurança conhecer as senhas das redes sociais e de e-mails dos filhos, que devem ser usadas apenas quando julgar necessário. “Muitos não exigem as senhas por medo de chatear os filhos", diz Maria Edna Scorcia, diretora pedagógica do colégio Joana D’Arc, em São Paulo. "É a mesma coisa que perguntar a eles com quem pretendem sair, a que horas voltam e para onde vão”.

Conhecer bem os relacionamentos dos filhos e ter um diálogo aberto evita também situações mais complicadas. "O cyberbullying tem sido uma realidade cada vez mais constante, principalmente entre adolescentes”, afirma Elisa Villela. “Desde muito cedo, a criança deve ser orientada a se colocar no lugar dos outros para não fazer o que não gostaria que fizessem a ela", diz. Isolamento, crises de choro ou reações exageradas de raiva demonstram que algo está errado com o filho. Cabe aos pais desvendarem o motivo.

Redes sociais são perigosas

Para muitos especialistas, o ideal é que apenas os maiores de idade possam fazer parte das redes sociais. O problema é que, como esses sites não exigem comprovação da data de nascimento, qualquer um pode criar um perfil com informações alteradas. O melhor a fazer é supervisionar e conversar sobre os perigos contidos ali para toda a família. “Fotos de uma viagem ou mesmo da sua própria casa evidenciam o padrão de vida da família, o que é um chamariz para bandidos", afirma a psicopedagoga Cristiane Ferreira. Ela alerta também para o risco ao publicar imagens da criança vestindo o uniforme, pois isso revela onde ela estuda. Pais devem sempre orientar os filhos a adicionar e entrar em contato apenas com pessoas já conhecidas. “A criança pequena é orientada a não conversar com estranhos na rua”, diz a psicóloga Elisa Villela. "O mesmo vale para a internet".

Até 6 anos
O que acessar: sites de conteúdo infantil e educativo. “Algumas crianças já sabem ler com fluência antes dos 6 anos, e a escola pode até utilizar a internet como ferramenta para o processo de alfabetização”, diz a psicopedagoga Cristiane Ferreira, membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia. 

Tome cuidado com: o excesso. “O computador não deve ser uma babá eletrônica, e sim um aparelho para promover descobertas e lazer para a família. E não pode substituir a atividade física”, alerta a psicóloga clínica Elisa Villela.

Bloqueie: acessos a sites proibidos que contenham conteúdo pornográfico, de violência ou que não estejam de acordo com os princípios de educação ou de cultura da família. “Não há privacidade nessa fase, pois o filho não é capaz de discernir entre o certo e o errado”, afirma a psicóloga e psicopedagoga Eliana de Barros, diretora do colégio Global, em São Paulo. Use as ferramentas de filtragem para barrar esse tipo de informação.

Tempo de navegação: de 15 minutos a, no máximo, uma hora por dia -sempre com a supervisão constante de um adulto

De 6 a 8 anos

O que acessar: sites de jogos infantis que estimulem a criatividade e a coordenação motora. O próprio filho pode indicar endereços, mas cabe aos pais explorar o conteúdo e verificar se é adequado. “Mostrar interesse pelas descobertas das crianças cria um espaço a ser compartilhado entre pais e filhos”, comenta a psicopedagoga Elisa Villela. Mas o julgamento dos pais sobre o conteúdo é essencial. “Crianças até essa idade não têm o sistema de julgamento moral suficientemente desenvolvido para saber o que é bom ou ruim para elas", afirma. 

Tome cuidado com: visitas à casa de amigos ou familiares com acesso à internet. Certifique-se de que os pais dos amiguinhos bloqueiam sites ou limitem o uso dos computadores. Vale lembrar ainda que alguns celulares possuem acesso à rede. "Não recomendo o uso de celulares para essa idade, mas se os pais acharem muito necessário ter um, devem escolher um modelo mais simples”, diz Cristiane Ferreira.

Bloqueie: jogos que incentivem a violência, sites com conteúdo para maiores de 18 anos, salas de bate-papo e redes sociais. Mensagens instantâneas, só com o acompanhamento dos pais e com amigos previamente aprovados.

Tempo de navegação: até uma hora e meia por dia, desde que a lição de casa já tenha sido feita.

De 9 a 10 anos

O que acessar: sites aprovados pelos pais e mensagens instantâneas -desde que os contatos sejam de conhecidos. Aos nove anos, é importante dar mais autonomia à criança. Se for do interesse dela, crie uma conta de e-mail com senha compartilhada pela família. Estabeleça regras de uso. “A criança já pode compreender melhor quais são os riscos que a utilização inadequada da internet pode trazer”, diz Cristiane Ferreira. "Mas os pais devem continuar usando o programa de controle ao acesso à internet e ter diálogo aberto com os filhos".

Tome cuidado com: sites de pesquisa, pois o risco de acesso a conteúdos inadequados aumenta. "Redes sociais podem ser acessadas, mas com supervisão direta e integral dos responsáveis. Vale lembrar que quanto mais amplo o universo digital, maior o risco”, alerta Eliana de Barros. Conheça os amigos e o conteúdo das conversas.

Bloqueie: salas de bate-papo, sites para maiores de 18 anos ou endereços que não condizem com a educação e cultura da própria família.

Tempo de navegação: entre uma e duas horas, com supervisão dos pais.

De 11 a 13 anos

O que acessar: redes sociais, sites de pesquisa, jogos educativos, emails e mensagens instantâneas -desde que observados pelos pais. “Uma boa tática é colocar o computador em ambientes de uso comum da família, como a sala”, diz a psicóloga Elisa Villela. Supervisione sem comentar o conteúdo. A psicopedagoga Eliana Barros recomenda cuidado para não expor o adolescente ao fazer comentários sobre sua atividade digital. "Lembre-se que está apenas garantindo a segurança e não 'bisbilhotando' a intimidade dele”, diz. Cristiane Ferreira, também psicopedagoga, explica que nessa idade aumenta o interesse pela utilização de internet, que deixa de ser apenas um meio de informação e passa a ser também uma maneira de interação social. Fotos de festas, pensamentos e sentimentos são facilmente colocados em Facebook, Twitter, YouTube e Orkut, e isso faz com que a criança sinta necessidade de copiar os amigos. Cabe aos pais incentivar os filhos a interagir mais com os colegas por meio do convívio físico.

Tome cuidado com: a postagem de fotos, informações pessoais ou telefone em redes sociais. “Faça uma lista e converse sobre os itens que são proibidos, como não divulgar senhas ou dados pessoais, não marcar encontros, não fazer compras e não desrespeitar os outros”, diz a psicóloga. Explique a importância da preservação da privacidade e mostre que há armadilhas na rede.

Bloqueie: downloads, salas de bate-papo, endereços de compras, localizadores geográficos e sites com conteúdos como pornografia, anorexia ou bulimia. 

Tempo de navegação: no máximo duas horas.

Acima dos 14

O que acessar: redes sociais e sites de pesquisa de informações. “O computador deve ser monitorado constantemente pelos pais, mas de forma muito sutil, sem afrontamento”, diz Eliana de Barros. Observe as mudanças de comportamento, respeite a privacidade e cobre responsabilidade. “Nessa idade já não se tem controle sobre os acessos dos filhos a muitos conteúdos. Por isso as regras sobre o uso da internet devem ser conversadas e explicadas" explica a psicóloga Elisa Villela. "Assuntos pertinentes aos riscos e benefícios da internet devem ser constantes entre os familiares”.

Tome cuidado com: sites de download e links desconhecidos. Se notar no jovem uma tendência ao isolamento, estimule sua participação em situações compartilhadas pela família. Os pais devem dar o exemplo e não ficar somente no mundo virtual, aproveitando os momentos com os filhos para conversar pessoalmente. Evite fazer comentários não pertinentes ao mundo digital do adolescente -elogiar ou publicar frases como “meu filhote está um gato!” é constrangedor. Alguns sinais servem de alerta para os pais: observe se o histórico de páginas acessadas some toda vez que o adolescente entra na internet ou se eles se comportam de forma estranha quando estão diante do computador.

Bloqueie: jogos de apostas ou que estimulem a violência, sites de compras, localizadores geográficos, salas de bate-papo e endereços com conteúdo para maiores de 18 anos, com cenas violentas e chocantes ou que fazem apologia a crimes.

Tempo de navegação: não exceder o período de duas horas, com a condição de antes cumprir compromissos escolares e caseiros.