Publicidade
Entretenimento
Vida

Sorriso bonito garante coração mais saudável

Bactérias que provocam problemas bucais podem causar infecção no coração. Higiene bucal adequada é a melhor forma de prevenção 06/09/2012 às 19:20
Show 1
População brasileira é desinformada em relação a doenças cardiovasculares aponta pesquisa
acritica.com Manaus

O Brasil está entre os 10 países com maior índice de mortes causadas por doenças cardiovasculares. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em 2011, 33% dos óbitos no país estavam relacionados com problemas no sistema cardiovascular.

Para prevenir doenças que afetam o coração, é recomendado controlar a pressão arterial e o colesterol, manter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios físicos. A prevenção também depende da saúde bucal do indivíduo. "O corpo é um sistema integrado e o que acontece em uma região pode se refletir em outra. Doenças que afetam a gengiva, os ossos e os ligamentos em volta dos dentes estão diretamente ligadas aos problemas cardiovasculares", esclarece Gerson Köhler, profissional que integra a equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial.

Segundo pesquisadores do Instituto Norte Americano de Saúde, as inflamações bucais, como cáries, abcessos, gengivite e periodontite, aumentam em 25% as chances de ter alguma doença cardiovascular. A explicação é simples. As bactérias presentes no tecido gengival entram na corrente sanguínea e se instalam nas válvulas cardíacas e na camada interna do coração. "A proliferação destes micro-organismos no endocárdio provoca a chamada endocardite, uma infecção que pode levar o indivíduo a morte", alerta Juarez Köhler, especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial da Köhler Ortofacial.

A endocardite aguda é caracterizada por sua gravidade e por sua progressão em outras regiões do organismo. A doença pode infeccionar o cérebro, olhos, fígado e rins e se agravar em poucos dias. Já a endocardite subaguda evolui mais lentamente e causa sintomas como dores musculares, aumento do baço, suores noturnos, calafrios e febre prolongada. "As bactérias causadoras de problemas bucais estão presentes nos alimentos e nos objetos usados para comer. Feridas ou úlceras na gengiva são a sua principal porta de entrada para a corrente sanguínea", ressalta Juarez.


Higiene bucal afasta o perigo

O acúmulo de bactérias na boca - conhecido como placa bacteriana - especialmente entre a gengiva e os dentes, é resultado da má higiene bucal. Para evitar a formação da placa, a orientação é escovar os dentes e a língua após qualquer refeição. "Os movimentos devem ser circulares, curtos e suaves para não desgastar os dentes. É fundamental escovar todas as faces do dente - em cima, na frente e na parte de dentro. A escovação deve durar, pelo menos, dois minutos e o modelo de escova mais indicada é aquele com cerdas macias e cabeça pequena", recomenda Gerson.

O fio dental é outro item que não pode faltar. O ideal é usá-lo, no mínimo, uma vez ao dia. O fio dental alcança regiões mais profundas, onde a escova não chega, e remove restos de alimentos e bactérias que se acumulam sob a gengiva e entre os dentes. "Os movimentos devem ser para cima e para baixo, sem forçar o fio contra o frágil tecido gengival, isto evita sangramentos e machucados. Para cada dente que será limpo deve ser usada uma nova parte do pedaço de fio dental para não espalhar as bactérias pela boca ao invés de eliminá-las", ensina Juarez.

Além dos cuidados diários com a boca, é preciso ficar atento à dieta alimentar. A ingestão excessiva de açúcares e alimentos com amido favorece o desenvolvimento de bactérias. Beliscar entre as refeições também aumenta a ação da placa bacteriana contra o esmalte dos dentes. "É fundamental ir ao odontologista regularmente para realizar um exame profissional detalhado sobre a saúde bucal e, se necessário, realizar uma limpeza para remover o tártaro e a placa. O paciente deve informar dados sobre a sua saúde geral para que os tratamentos sejam mais efetivos", acrescenta Gerson.