Publicidade
Entretenimento
Vida

Teatro Amazonas recebe ‘Milongas’ que já foi visto por mais de 2 mil pessoas

Balé é considerado um dos maiores sucessos de público do Teatro no 2º semestre; mistura de balé clássico e dança contemporânea, com referências ao tango, forma um espetáculo inesquecível 28/08/2014 às 15:14
Show 1
Espetáculo fez tanto sucesso que tem inspirado sucessivas apresentações
ACRITICA.COM* Manaus (AM)

O espetáculo de dança “Milongas” sobe ao palco do Teatro Amazonas mais uma vez às 20h do próximo domingo (26 de agosto). O balé, que será encenado pelo Corpo de Dança do Amazonas (CDA) já foi visto por mais de 2 mil pessoas no segundo semestre e já é considerado um dos maiores sucessos de público no Teatro Amazonas neste semestre. O evento será realizado pelo Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Cultura.

O espetáculo, que será gratuito, teve estreia no Festival Amazonas de Dança de 2011 e voltou a ser apresentado no palco do Teatro Amazonas em julho deste ano. De acordo com a diretora artística do Corpo de Dança do Amazonas, Monique Andrade, o sucesso nas apresentações é reflexo do trabalho desenvolvido pelos bailarinos. “Mesmo não sendo um espetáculo inédito, estão todos tão envolvidos com os ensaios que sempre conseguem passar uma energia diferente e mais forte nas apresentações”, destacou. Monique disse ainda que novos elementos artísticos são inseridos ao balé a cada apresentação.       

A principal característica de “Milongas” é mesclar sofisticadas técnicas do balé clássico e dança contemporânea, fazendo clara referência ao tango e ao tango eletrônico.  “Por mais que façamos inserções artísticas na coreografia, a essência do balé continua a mesma. Esse balé tem uma identidade visual muito particular e tenho certeza que, mais uma vez, a plateia vai lotar o Teatro Amazonas para prestigia-lo”, assegurou Monique.

O figurino é o mesmo que foi utilizado nas apresentações anteriores. Os bailarinos usam roupas que fazem referência direta ao ritmo portenho, mas com toque de modernidade e contemporaneidade.

* Com informações da assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Cultura (SEC).