Publicidade
Entretenimento
Vida

Veja cinco passos para lidar com uma traição pública, como a sofrida por Robert Pattinson

Famoso ou não, quem foi traído deve enfrentar os comentários com a maior dignidade possível. Para passar pelo problema, algumas atitudes são fundamentais 01/08/2012 às 10:40
Show 1
Robert Pattinson
Heloísa Noronha/UOL ---

Milhões de corações adolescentes pelo mundo foram partidos essa semana com as provas de que Kristen Stewart traiu Robert Pattinson com Rupert Sanders, diretor (casado) que trabalhou com ela no recente “Branca de Neve e o Caçador”. Na tentativa de reparar o irreparável e limpar sua imagem, a mocinha da saga "Crepúsculo" pediu desculpas publicamente aos fãs e a todos os envolvidos no episódio. O galã deixou a casa em que os dois moravam e agora precisa lidar com todos os percalços causados por um escândalo dessa proporção.

Não é preciso estar sob os holofotes de Hollywood para saber que levar um chifre publicamente não é das experiências mais agradáveis da vida. Seja numa empresa, na turma de amigos ou numa cidade pequena em que todo mundo se conhece, infidelidade sempre é um tema palpitante na boca do povo. Famoso ou não, quem foi traído deve enfrentar os comentários com a maior dignidade possível. Para passar pelo problema, algumas atitudes são fundamentais.

Assuma a dor e a decepção
Todo rompimento, seja qual for seu motivo, exige um período de luto para elaborar o que houve. Varrer o sofrimento para baixo do tapete só torna mais difícil superá-lo. “Uma traição significa o fim de um ideal, de uma fantasia, de sonhos em comum. É quase impossível tratar essa frustração com desprendimento”, diz a psicóloga Claudia Gregio.

Assumir que está devastado emocionalmente –mesmo sem dizer nada, já que a linguagem corporal faz o todo trabalho nesses casos– é uma postura digna. Isso mostra que se quem foi infiel não se importou com o relacionamento e os sentimentos alheios, a vítima da traição honrava os pactos amorosos e, mesmo machucada, se sente infeliz com o que aconteceu.

Não sinta vergonha
Para a psicoterapeuta Gisela Castanho, não há por que sentir vergonha da situação. “Quem tem de se envergonhar é o parceiro infiel, que foi desonesto e descumpriu um acordo, explícito ou não”, afirma. Levantar a cabeça e seguir em frente atrai a simpatia das outras pessoas, ao contrário de querer sair por cima, se jogando em baladas ou fingindo estar aliviado com o término. E fazer piadas com a própria dor só gera estranheza e uma impressão de imaturidade, em vez de respeito.

Aposte na assertividade
Uma traição pública exige jogo de cintura para não provocar ainda mais curiosidade e fofocas. Uma boa estratégia, na opinião da psicoterapeuta Gisela Castanho, é falar sobre o assunto antes que as outras pessoas o abordem. “Confirme que, sim, a infidelidade aconteceu, que está muito chateado e que gostaria que tratassem sua mágoa com respeito e discrição”, diz. Essa ação ajuda a dar uma maneirada nos boatos e a impedir que os outros elaborem uma versão própria dos fatos.

Filtre conselhos e ofertas de ajuda
Se não tiver vontade de abrir o coração com ninguém, não o faça. De acordo com a psicóloga Claudia Gregio, uma maneira de dar um corte bem sutil em abordagens indesejáveis é dizer que você não se sente bem para tocar nesse assunto no momento. “Você deixa claro que não vai falar nada porque está sofrendo e, assim, não ofende a outra pessoa”, afirma.

Há aqueles que insistem em oferecer opiniões e conforto não solicitados. Para Gisela Castanho, esse momento dolorido é útil para filtrar a qualidade das amizades. “Converse somente com quem já se mostrou parceiro e realmente interessado em outras ocasiões. Fuja dos oportunistas, que só se aproximam por curiosidade”, diz.

Decida o que é melhor para você
Por piores que sejam as circunstâncias de uma traição pública, apenas o casal é que conhece, de fato, o que se passa em seu relacionamento – isso vale tanto para as coisas ruins quanto as boas. “Não é porque todo mundo ficou sabendo da infidelidade que a pessoa deve se deixar influenciar pela opinião geral”, diz Gisela Castanho. Se ao pesar os prós e os contras você decidir que ainda vale a pena continuar o romance, vá em frente. “Só você é responsável por sua própria felicidade”, diz a psicoterapeuta.

 

PIADAS E INDIRETAS NÃO LEVAM A NADA

Assim que Kristen Stewart e Rupert Sanders assumiram publicamente que ficaram juntos, Liberty Ross, modelo e mulher do diretor, começou a postar nas redes sociais alusões sobre o ocorrido.

Uma delas, uma imagem da Branca de Neve bêbada publicada no Instagram, foi acompanhada da frase “nem tão bonita e nem tão pura, no final das contas”, uma alfinetada destinada à personagem vivida no cinema por Kristen.

 Para a psicoterapeuta Gisela Castanho, atitudes desse tipo não passam de uma lavagem de roupa suja que não leva a lugar nenhum. “Não se resolve nada no calor da raiva. E Liberty deveria se lembrar de que quem firmou um pacto de fidelidade com ela foi Rupert, seu marido, não Kristen. É com ele que ela deveria se acertar”, diz.