Publicidade
Especial
Especiais

Empresa de games amazonense fecha parceria com gigante do setor para criação de conteúdo

A Petit Fabrik, startup amazonense de jogos eletrônicos, fechou recentemente parceria com a Sony e vai desenvolver produtos para as plataformas da gigante japonesa 11/11/2013 às 11:00
Show 1
Equipe da Petit Fabrik, empresa amazonense que está desenvolvendo um game para plataformas Sony em 2014
Mônica Dias ---

Especial para A CRÍTICA

Eles não usam crachá nem uniforme, não possuem horário fixo, podem trabalhar ouvindo música e parar um pouquinho o serviço para jogar vídeo game. É nesse ambiente que trabalham os 19 funcionários da Petit Fabrik, a startup amazonense de games que acabou de fechar parceria com a Sony e vai desenvolver jogos para as plataformas da gigante japonesa.

Com pouco mais de um ano de existência e ainda sem nenhum jogo no mercado, a “pequena fábrica” (parte do Grupo Tap4, que atua na área de mobile apps) tinha planos de trabalhar apenas com plataformas mobile e não de consoles. E foi mostrando 12 ideias de games para tablets e smartphones que conseguiram chamar a atenção da Sony, em apenas 15 minutos de conversa.

“Conhecemos os executivos da Play Station durante o Game Connection America, que aconteceu em San Francisco, em março desse ano. Lá, nós temos pouco tempo para falar com eles, cerca de 15 minutos com cada empresa. Mostramos nosso portfólio sem muitas pretensões, e acabamos sendo convidados para conhecer a sede da Sony. Então fomos conversando e fechamos a parceria em outubro”, contou Olímpio Neto, produtor executivo da Petit.

Sigilo
Por questões contratuais, Olímpio não pode contar nenhum detalhe sobre o jogo que irão desenvolver para a empresa japonesa, mas estimou que o projeto seja concluído em um ano e garantiu que será um jogo original que deve ser lançado em várias plataformas. “Ainda não fechamos essa parte, mas é provável que o jogo que viermos a fazer seja disponibilizado no PSVita, PS3 e PS4”.

Diferencial
E como uma empresa tão recente do Amazonas conseguiu fechar contrato para desenvolver um jogo pra Sony? Para Olímpio a conquista se deve à coragem. “Para fazer game no Brasil já é preciso ter uma taxa de loucura, imagina no Amazonas. A gente não tinha essa pretensão de fazer jogos para consoles, mas a Sony abriu a porta e nós entramos. Eles buscavam times pequenos e talentosos e acharam essas características no nosso time. Não vou dizer que não ficamos nervosos e ansiosos com tudo isso, mas o fato de eles enxergarem capacidade na gente, nos deixou muito confiantes também”.

Capacidade e talento também foram questões fundamentais para a startup conseguir tal feito. Segundo Olímpio, o investimento nos funcionários é uma das principais bases da Petit. “O principal artigo da Petit Fabrik são as pessoas. Nós fazemos de tudo para não demitir um funcionário e investimos pesado para ele ficar cada vez melhor. Além de vale alimentação, transporte e planos de saúde, damos verba para cursos e especializações, bancamos viagens à congressos e feiras da área, etc”.