Publicidade
Especiais
Projeto de preparação para a Copa

Empresas são incentivadas a implantar sistema de automação de pedidos e delivery em Manaus

Abrasel-AM quer incentivar as 170 empresas associadas. Entre esses procedimentos estão, justamente, a visualização do cardápio e a efetivação dos pedidos 02/12/2012 às 16:56
Show 1
Gerente do restaurante Emporium Roma demontra a vantagem de ter um cardápio on-line
Jornal A CRÍTICA Manaus (AM)

Até a Copa do Mundo de 2014, a Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel-AM) quer incentivar os estabelecimentos a automatizar alguns processos que hoje acontecem de forma tradicional e dificultam a atração de novos frequentadores. Entre esses procedimentos estão, justamente, a visualização do cardápio e a efetivação dos pedidos.

De acordo com a vice-presidente da entidade, Lilian Guedes, um dos objetivos do projeto é substituir o velho menu pelos tablets e smartphones, que também cumprirão a função das comandas de papel. Segundo Lilian, a “automação dos pedidos” já passa por testes e terá uma segunda vertente, que é a criação de uma central de delivery na Web.

A central vai disponibilizar espaços individuais para as empresas associadas. Nas seções, cada restaurante apresentará seu cardápio, preços e modos de pagamento. Então, ao invés de o usuário ligar para pedir uma entrega, ele poderá fazer isso via Internet.

Para as empresas que não trabalham com delivery, o serviço terá a função de “catálogo eletrônico”, com as principais informações do restaurante (endereço e horários de funcionamento, por exemplo). “O projeto piloto está acontecendo no restaurante Palazzollo. Depois da fase de testes, vamos apresentar a proposta para os associados e convidá-los a fazer uma adesão espontânea”, comenta Lilian.

O projeto da Abrasel-AM é realizado em parceria com a Unidade Gestora do Projeto Copa do Mundo (UGP), do Governo do Estado.

O coordenador geral da UGP, Miguel Capobiango, destaca que o projeto busca ampliar a qualificação do setor e facilitar o acesso das pequenas empresas às novas tecnologias. “Se cada restaurante fosse contratar uma empresa de tecnologia para desenvolver seu sistema sairia muito caro”, diz.