Publicidade
Especiais
Especiais

Impasse do júri do festival está resolvido

A dois dias do Festival de Parintins, Garantido e Caprichoso trocaram acusações envolvendo a escolha da comissão julgadora. Robério Braga precisou intervir 28/06/2012 às 10:05
Show 1
O Caprichoso traz acrobacias para a arena
Paulo André Nunes Parintins (AM)

Após quase um dia inteiro de denúncias mútuas entre os bois Garantido e Caprichoso, as duas associações folclóricas entraram em consenso sobre a comissão julgadora e, até o meio-dia de hoje, serão definidos os jurados para o 47º Festival Folclórico. A polêmica só foi contornado após a intervenção do secretário de Estado da Cultura (SEC), Robério dos Santos Braga, que apelou aos bois para que entrassem em consenso.

 Nesta quinta-feira, os bois seguem para resolver dois problemas: a polêmica em torno dos valores da transmissão pela TV, junto à transmissora (ambos), e a ausência de pagamento a compositores das toadas (Garantido). “Falamos com os representantes e está tudo resolvido. Até o meio-dia desta quinta-feira estará definido o nome dos jurados do Festival de Parintins”, disse o secretário de Cultura Robério Braga. O secretário chegou a afirmar que a solução do problema estava nas mãos dos dois bois-bumbás,

As denúncias

A primeira denúncia partiu do representante do Garantido para a formação da comissão julgadora para o evento deste ano, Alberto Neto. Responsável por analisar os currículos dos candidatos a jurados em Sergipe, ele denunciou que o representante do Caprichoso que também está naquele Estado, Markan Uchôa, teria repassado para a diretoria do Caprichoso os mesmos currículos para que fosse realizada uma triagem, o que contraria o regulamento do 47º Festival de Parintins, onde apenas os representantes dos bois (três de cada associação) têm autonomia para definir os jurados.

Neste ano, três representantes de cada boi viajaram para os Estados da Paraíba, Sergipe e Paraná para analisar os currículos dos pré-jurados e definir os 10 membros da comissão julgadora (um presidente da comissão e nove jurados). A direção do Garantido denunciou o caso à Secretaria de Estado da Cultura (SEC), informou Alberto Neto.

Além de Alberto Neto e Markan Uchôa, Além deles, os bois Garantido e Caprichoso tem como representantes, respectivamente, Felipe Júnior e Jander Lobato no Paraná e Pedro Costa e Dernando Reis na Paraíba.

Segundo Alberto Neto, o presidente do Garantido, Telo Pinto informou que, caso o regulamento fosse infringido, a intenção do Boi da Baixa do São José seria não levar nenhum nome de julgador à apreciação dos envolvidos.

“Estou envergonhado com essa tentativa de tirar a credibilidade do nosso festival, que tem grande conceito de credibilidade ao longo dos anos. A partir do momento que você coloca tudo isso em risco, quem tem a perder é o festival e a cultura do Amazonas”, declarou ele, antes de que fosse resolvida a pendenga, por volta das 21h de ontem.

Outro lado

Por telefone à reportagem, a presidente do Caprichoso, Márcia Baranda, havia negado que o boi tivesse infringido qualquer item do regulamento, e que Markan Uchôa apenas lhe repassou um relatório informando que os currículos apresentados aos dois bois não tinham qualificação para julgar o Festival de Parintins. Inconformada, a dirigente informou que o Caprichoso denunciou o fato enviando um ofício à Secretaria de Cultura e interrompeu o processo de definição da comissão julgadora, ao passo que, aguardava por um posicionamento oficial do órgão para resolver o entrave.

A polêmica começou em Sergipe, onde o representante do Caprichoso, Markan Uchôa, enviou um relatório à presidente do Azul e Branco relatando que os currículos dos profissionais recomendados pelas secretarias do Estado e Município não tinham qualificação.

“As atividades de escolha da comissão de jurados estão suspensa. Estamos aguardando um posicionamento da Secretaria de Estado da Cultura. Isso é um desrespeito ao Festival de Parintins”, disse Márcia Baranda, frisando que a associação folclórica Boi Caprichoso “não abre mão da responsabilidade com o Festival Folclórico,  com esse povo que depende do festival; trabalhamos seis meses para colocar o boi na arena”.

Capítulo IV - do processo de escolha dos jurados

Art. 7º - Serão indicados três representantes de cada agremiação, até 11 dias antes do início do Festival, para captação e seleção de jurados.

§ 1º  - Em Manaus, a 06 (seis) dias antes do evento será realizado sorteio de 05 Estados que poderão enviar jurados, excluídos os estados clássicos da região norte do País, e os que tenham enviado jurado no ano imediatamente anterior. Dos cinco sorteados cada agremiação vetará 01.

§ 2º - Dos três estados finalmente selecionados, haverá novo sorteio para seleção daquele de onde irão quatro jurados. No dia seguinte as três duplas se deslocarão aos Estados sorteados.