Publicidade
Especiais
Especiais

Jovem ambientalista de 15 anos entre os participantes do Fórum Mundial de Sustentabilidade

Sofia Vámos é filha de ambientalistas e autora do documentário Zonas Mortas - A ameaça silenciosa. Ela deve se apresentar no último dia do Fórum 22/03/2012 às 13:37
Show 1
Jovem ambientalista de 15 anos entre os participantes do Fórum Mundial de Sustentabilidade
Monica Prestes Manaus

Uma jovem ambientalista carioca que, aos 15 anos, produziu – sozinha - um documentário sobre a ameaça silenciosa sofrida pelas zonas mortas dos oceanos brasileiros, chamando a atenção de ambientalistas – nem tão jovens – do Brasil e até de outros países vai “estrear” no 3º Fórum Mundial de Sustentabilidade, que acontece em Manaus entre os dias 22 e 24 de março.

Sofia Vámos é filha de ambientalistas e nutre uma paixão especial pela Amazônia, destino que ela diz figurar no “topo da lista” dos locais que ela pretende estudar em um futuro próximo. Autora do documentário ‘Zonas Mortas – A ameaça silenciosa’, um vídeo de dez minutos que já soma mais de 300 acessos no YouTube em apenas dois meses, Sofia deve participar das exposições sobre ecossistemas marinhos com uma pequena apresentação no próximo sábado.

“No ano passado participei do Fórum de Sustentabilidade apenas como convidada, mas este ano vim para dar o meu recado. As pessoas precisam olhar para os oceanos, que também estão sofrendo com a degradação ao meio ambiente”, disse a adolescente.

Com as mãos trêmulas, Sofia contou que está muito ansiosa e nervosa para a apresentação em Manaus. “Sou uma pessoa muito tímida, mas quero aproveitar esta oportunidade do Fórum, que começa no Dia Mundial da Água.”

A menina, que sonha em ser bióloga e seguir os passos dos pais, conta que desde criança mantém uma relação muito próxima com o meio ambiente e com Manaus. “Cresci nesse meio de ‘adoro a natureza’ e venho para Manaus desde bem pequena. A primeira vez que visitei a cidade, tinha nove anos e lembro de ter nadado com os botos, pego jacarés e descido o rio Negro inteiro”, relatou.

O documentário

O que era para ser apenas um trabalho de escola ganhou proporções nunca antes esperadas por Sofia e rendeu a ela o reconhecimento nacional por jornalistas, gestores e até mesmo ambientalistas.

Aluna do Centro Internacional de Educação Integrada (Ciei), Sofia fez o projeto para apresentar aos professores e alunos da escola em novembro de 2011, quando cursava o 9º ano, então com 14 anos.

“A minha escola me deu oportunidade de fazer um projeto pessoal. Pesquisei e descobri as zonas mortas e as ameaças que elas sofrem, então decidi que tinha que informar mais pessoas sobre esses problemas, já que a maioria conhece mais os problemas terrestres, como o desmatamento e a poluição”, contou.

Com a ajuda dos pais – que a levaram até os entrevistados, uma vez que ela não pode dirigir -, ela entrevistou o biólogo e professor do Instituto Oceanógrafo da Universidade de São Paulo (USP), Alexander Turra, que também é expositor no 3º Fórum Mundial de Sustentabilidade, em Manaus.

Turra deve apresentar a exposição “Ameaças aos ecossistemas marinhos e costeiros do Brasil”, na manhã deste sábado.

Sofia ainda contou com a ajuda do tio, que é diretor de cinema e “emprestou” computador, além de ensinar a garota a editar, para produzir o vídeo, que ela ressalta: “Fui eu quem fiz. E sozinha.”