Publicidade
Especiais
Especiais

Sorte está lançada. Quem será o campeão?

O festival, além de ser o espetáculo de maior expressão artística da Amazônia, é o grande impulsor do desenvolvimento socioeconômico do município, localizado a 369 quilômetros de Manaus 30/06/2012 às 15:50
Show 1
Garantido e Caprichoso na primeira noite do festival
Paulo André Nunes e Artur César Parintins (AM)

Junte religião, paixão e muita emoção e você terá a medida exata do que foi a primeira noite do Boi-bumbá Garantido neste 47º Festival Folclórico de Parintins. Sob o tema “Tradição”, o Boi da Baixa do São José trouxe para a arena do Bumbódromo, nesta sexta (29/06) o subtema “Tradição em Parintins”, contagiando a galera vermelha e branca. O boi evoluiu em 2h27min47s de forma eficiente e organizada.

A apresentação começou de um jeito bem tradicional: na voz da galera vermelha e branca, que cantou a toada “Miscigenação” antes da primeira alegoria, “Tradição da Baixa”. E quando se fala em Baixa do São José, a família do seu fundador, Lindolfo Monteverde, não pode ser esquecida. No dia de São Pedro, padroeiro dos pescadores como seu pai, os filhos vivos de Lindolfo Monteverde - João Batista e Maria do Carmo - se apresentaram na Batucada do boi-bumbá como ritmistas de tradicionais chocalho e xeque-xeque, respectivamente.


Em vários momentos da sua evolução, o levantador de toadas Sebastião Júnior se destacou seja cantando, dançando ou trocando de fantasias - numa delas, duas espécies de asas se abriram, de uma capa, impressionando. Ele e mais o Amo do Boi, Tony Medeiros, foram literalmente para a galera, subindo a arquibancada e fazendo côro com a galera vermelha e branca. Na lenda amazônica “Aratãreimo”, destaque para a alegoria de uma fera amazônica que conduziu à arena a cunhã-poranga Tatiane Barros. A alegoria “Romeiro da Fé”, que compôs a figura típica regional, trouxe uma imagem gigante de Nossa Senhora do Carmo e mais a Rainha do Folclore Patrícia de Góes.   


Após o ritual indígena da Tucandeira, dos índios sateré-mawé,  um “grand finale” bem “Garantido”: um brincante dentro de uma gaiola,içada por um guindaste e decorada com motivos folclóricos como fitas coloridas, arremessou pétalas de rosas vermelhas e brancas sobre a galera do Garantido. Um grande final para uma emocionante apresentação.


Azulado

O Boi Caprichoso tomou conta da arena do bumbódromo com um cenário multicultural na primeira noite de apresentação do bumbá. Com o levantador David Assayag vindo do céu, pendurado por um guindaste a 60 metros de altura, o Azul transpirou sensibilidade e arrepiou a galera.  

O Touro Negro veio forte logo no primeiro ato. Trazendo  representantes de diversas manifestações folclóricas brasileiras, como Dona Aurora e Seu Gigante, o Boi mostrou a diversidade do povo e a força da união entre o branco, o negro e o índio.    

Depois de ecoar a toada “Sensibilidade” pela arena, o levantador David Assayag deu início a grande festa da Nação Azulada. A emoção tomou conta e até o “coração” bateu mais forte e se rendeu.


Outro ponto alto da apresentação foi quando a nova porta-estandarte, Jeane Benoliel, surgiu. Ela pediu e recebeu o apoio da torcida.   Na figura de aquarela da cultura popular, Jeane foi ovacionada e mostrou que mesmo após oito anos afastada da arena, a ex-cunhã-poranga do Caprichoso ainda evolui como nenhum outro item do festival.


Dentro da temática proposta para o primeiro dia, o apresentador David Assayag veio de Luiz Gonzaga, ícone da música popular. Nesse caso, o bloco musical apresentou uma fusão interessante com as obras do artista nordestino, como “Aquarela do Brasil” e “Asa Branca”. 


As manifestações culturais brasileiras foram representadas por danças vindas dos quatro cantos do País, como as cirandas, o Carnaval, as rodas de capoeira e pastorinhas, além das próprias danças indígenas, típicas da região amazônica. Os Lamparineiros vieram representando o Boi Bumbá de Parintins. Todos eles formaram uma grandiosa coreografia que exaltou as manifestações culturais do Brasil. Item 19, a galera fez a sua parte representou a procissão de São Pedro. Um espetáculo que emocionou o Brasil de todas as cores.