Publicidade
Especiais
Especiais

Transporte na ilha: Opções para todos os gostos

Mototáxi, táxi e triciclos apresentam vantagens específicas para os usuários.  Basta que o cliente escolha o que melhor atende suas necessidades 26/06/2012 às 11:50
Show 1
Mototáxi, táxi e triciclos apresentam vantagens específicas para os usuários. Basta que o cliente escolha o que melhor atende suas necessidades em Parintins
Florêncio Mesquita Parintins (AM)

Quem for ao 47º Festival Folclórico de Parintins (a 325 quilômetros de Manaus) terá ao menos três opções de transporte para se locomover na ilha tupinambarana. As alternativas de veículos de duas e três rodas, tais como, mototáxi e triciclos, são as mais procuradas devido à rapidez, agilidade e preço. No entanto, táxis e carros de passeio também fazem parte das listas dos meios de transportes mais procurados da ilha por conta do conforto e comodidade. 

Mototáxi, táxi e triciclos apresentam vantagens específicas para os usuários.  Basta que o cliente escolha o que melhor atende suas necessidades. A motocicleta é rápida e chega com facilidade a qualquer lugar da ilha. O triciclo proporciona a contemplação da cidade durante o trajeto escolhido. Já o táxi é o único que possui climatização para driblar o forte calor da ilha de Parintins.

Os preços do transporte são variados. O custo de um percurso de triciclo, por exemplo, varia entre R$ 5 e R$ 10, dependendo do destino escolhido. Na mesma linha, o mototáxi apresenta variação de R$ 4 a R$ 10, também dependendo do percurso desejado. Já o táxi vai de R$ 10 a R$ 40 com corridas combinadas. No taxímetro, o valor é o mesmo praticado no mercado estadual. As opções de transporte se estendem também para o aluguel de veículos. A cidade conta com pouco mais de dez locadoras de motocicletas e apenas duas de carros de passeio. Antigamente, segundo contam os moradores, alugava-se também bicicletas, mas com o passar do tempo e a introdução massiva de motocicletas, a locação foi praticamente extinta. Não é à toa que a frota de motocicletas supera a de carros no município.

 

Motorizados

O aluguel de uma motocicleta pelo período de uma hora varia entre R$ 5, na locadora mais barata, e R$ 10 na mais cara. O valor é o mesmo que uma corrida com um mototaxista ou em tricicleteiro. A diária do veículo também tem variação. Para passar 24 horas com a motocicleta 125cc o locatário paga em média entre R$ 50 e R$ 80. O detalhe é que as locadoras pedem apenas a apresentação de documento com foto, de preferência RG, além de CPF, o endereço do hotel e o número do quarto onde está hospedado, para alugar o veículo.

Segundo o titular do Departamento de Terras, Cadastro e Arrecadação (DTCA) de Parintins, Flávio Cardoso, atualmente existem 136 táxis, 450 mototáxis e 250 triciclos legalmente em circulação na ilha tupinambarana. Todos são cadastrados junto à Prefeitura da ilha e fazem parte de associações específicas. Apenas condutores legalizados detêm autorização para atuar na cidade. No entanto, existe um número indefinido de veículos informais, das três categorias, que opera no transporte de passageiro, mas sem o aval do poder público municipal.

Conforme Cardoso, uma estimativa da Secretaria Municipal de Ação Social (Semast) aponta que só a quantidade de mototáxis na ilha passa de 800.

O secretário reconhece os casos de informalidade e diz que há fiscalização para frear a prática.  Ao contrário de Manaus, a profissão de mototaxista é regulamentada em Parintins. Além dos equipamentos de segurança de uso obrigatório estabelecidos pelo Código de Trânsito Nacional (CTB), os motaxistas precisam usar um colete específico com as cores amarelo e preto e um número de identificação. O colete contém a foto e o nome do condutor.

 

Veículos para o lazer

Os turistas que visitarem a ilha tupinambarana durante o festival terão, além do transporte comumente disponibilizado, a opção de utilizar micro-ônibus e vans. Os veículos são oferecidos em serviço particular com destino específico aos balneários da cidade. O transporte é voltado ao lazer de turistas que também querem conhecer e se banhar nas águas do rio Amazonas. 

O reforço na mobilidade urbana ocorre por conta da dificuldade de conseguir transporte nos dias em que é realizado o festival.

Segundo o titular do Departamento de Terras, Cadastro e Arrecadação (DTCA) de Parintins, Flávio Cardoso, com o aumento do público que utiliza o transporte na ilha durante o festival, estimado em 80 mil, os balneários passam a ser muito mais procurados. A demanda por táxis, mototáxis e triciclos, aumenta de forma que os veículos não conseguem suprir a necessidade dos clientes. Somando a população de Parintins que já  supera 102.945 habitantes, os 80 mil visitantes causam um verdadeiro inchaço ao transporte da cidade. Embora os meios de transporte sejam usados em 100%, muitos visitantes escolhem caminhar, uma vez que, a maioria dos roteiros na cidade fica perto um dos outros. 

De acordo com o diretor do DTCA, para evitar a espera para quem quer conhecer os lugares, os micro-ônibus ficarão à disposição dos visitantes até alguns dias após o encerramento do evento. Os principais roteiros dos veículos incluem os balneários do Fim da Ilha, Canta Galo e Regaço Ecológico. Neles, ainda podem ser encontrados itens da gastronomia regional.