Publicidade
Especiais
Especiais

Vila Olímpica só para atletas "made in Brazil"

Pela primeira vez na história dos jogos olímpicos, os atletas brasileiros contam com uma estrutura inteiramente dedicada a eles. A expectativa é de que a estrutura possa melhorar a aclimatação dos brasileiros e ajudar na obtenção de resultados 19/07/2012 às 20:50
Show 1
Vila Olímpica destinada aos atletas do Brasil
LEANDRO PRAZERES Londres

Uma mini vila olímpica só para atletas “made in Brazil”. Essa é a melhor definição do complexo esportivo de Crystal Palace, onde parte dos atletas da delegação brasileira já está treinando antes do início oficial das Olimpíadas de Londres. Pela primeira vez na história dos jogos olímpicos, os atletas brasileiros contam com uma estrutura inteiramente dedicada a eles. A expectativa é de que a estrutura possa melhorar a aclimatação dos brasileiros e ajudar na obtenção de resultados.

Crystal Palace é um bairro no subúrbio de Londres a quase 50 minutos de trem do centro da capital inglesa. É lá que fica instalado o National Centre Sports, nome oficial do complexo esportivo de alto rendimento com mais de 120 mil metros quadrados que o Comitê Olímpico Brasileiro alugou para atender aos brasileiros. Os custos, não foram revelados. Lá, os atletas têm toda a estrutura para a preparação para os jogos: piscinas olímpicas e plataformas paras os atletas da natação e saltos ornamentais, pista de atletismo para os corredores, quadras poliesportivas para as equipes de handball, vôlei e basquete. Além da estrutura esportiva, Crystal Palace também tem um hotel que vai abrigar parte dos atletas que não irá para a Vila Olímpica.



Para o chefe da delegação de atletismo, Martinho dos Santos, o Crystal Palace tem tudo para ajudar os brasileiros a conseguir melhor resultados. “É a primeira vez que há esse tipo de estrutura voltada apenas para os atletas brasileiros. Aqui, diferentemente da Vila Olímpica, eles têm pistas exclusivas a toda um suporte dedicado a eles. Eles não precisam esperar o treino de outros atletas para fazer o deles. É uma ótima experiência”, diz Martinho.

De acordo com os coordenadores da delegação brasileira em Londres, Crystal Palace vai funcionar até o final das olimpíadas e deverá ser utilizada até mesmo pelos brasileiros que estarão na Vila Olímpica. “Aqui, até mesmo por não estar tão próximo do Centro da cidade, a gente encontra tranquilidade para os nossos atletas. Muitos deles irão sair da Vila Olímpica para treinar aqui. Isso é bom porque a Vila, muitas vezes, oferece bastante distração, afirma Martinho .


Um dos destaques do complexo de Crystal Palace é a cozinha, tocada por chefes brasileiros e que usam ingredientes tipicamente tupiniquins. “Uma das maiores dificuldades que os nossos atletas sentiam quando iam para competições internacionais era a alimentação. Agora, eles têm o feijão com arroz que eles tanto gostam e não têm mais porquê reclamar”, brinca Martinho dos Santos.

Outro que aprovou a estrutura de Crystal Palace é o velocista amazonense Sandro Viana, 35. “Normalmente, quando a gente vai a uma competição internacional, a gente leva muitos dias para se aclimatar. Aqui, não. Tem muita gente à nossa disposição e eu já me sinto bastante adaptado. A gente se sente em casa aqui e isso faz muita diferença”, diz Viana, que vai disputar os 200 metros livres e o revezamento 4X100 metros.

Jailma Lima, que vai correr o revezamento 4X400 e os 400 metros com barreiras, também gostou da iniciativa. “A gente espera que essa tranquilidade e essa estrutura possa nos ajudar a conseguir melhores resultados”, diz a velocista.

Sandro Viana, atleta amazonense em Londres

Treinos

E por falar em revezamento, nesta quinta (19) foi o dia das equipes brasileiras dos revezamentos 4X100 (masculino e feminino) e dos 4X400 metros irem à pista de Crystal Palace. O treinamento foi para aclimatar os atletas com a pista, um pouco mais aderente, e para consolidar a passada de bastão, considerada pela maioria dos velocistas, o momento mais crítico desse tipo de prova.

“Nós conseguimos encontrar um equilíbrio bom. Estamos trabalhando para fazer essa passagem o mais tarde possível, para não prejudicar nenhum corredor e para aproveitarmos ao máximo toda a potencia de cada um de nós”, explica Sandro Viana.

Nesta quinta-feira (19/07), aliás, foi o último treino de parte da equipe de atletismo brasileira antes do Meeting Internacional de Atletismo que será realizado em Amsterdam, capital da Holanda. Para Sandro Viana, será a última competição oficial antes das Olímpiadas e ele diz estar bastante ansioso. “Vamos nos encontrar com equipes muito competitivas. Em Amsterdam, vamos botar à prova a capacidade da nossa equipe e ver como ela está preparada para Londres”, afirmou o velocista.

Sandro Viana explicou que o foco no treino da passagem de bastão é importante porque até mesmo equipes tidas como favoritas na prova, como os Estados Unidos, vêm encontrando dificuldade nessa parte. "Os Estados Unidos já sofreram com queda do bastão e colisão entres os velocistas. Nós, do Brasil, conseguimos uma experiência boa e por isso estamos nos focando nisso", disse. 

As provas dos 200 metros rasos masculino começarão no dia 7 de agosto. O revezamento 4X100 metros começa no dia 10. A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos será no próximo dia 27 de julho.