Publicidade
Carnaval
Folia em Educandos

Bhanda da Bhaixa da Hégua, em Educandos, é 'invadida' por público amante da folia

A organização estima que aproximadamente 30 mil pessoas compareçam na banda até o final da festa, prevista, assim como todos os eventos carnavalescos, para terminar à meia-noite. O evento integra o mix do Carnaval de Educandos, que é diferenciado por resgatar, todos os anos, a folia em forma de blocos de sujos e concursos de fantasias 19/02/2017 às 20:43 - Atualizado em 19/02/2017 às 21:13
Show bhaixadahegua4
Bhanda da Bhaixa da Hégua recebeu um grande público neste domingo / Fotos: Evandro Seixas
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Milhares de foliões subiram a Cidade Alta, como é conhecido o bairro de Educandos, na Zona Sul, para brincar alegremente em uma das bandas mais irreverentes da cidade: a da Bhaixa da Hégua. A organização estima que aproximadamente 30 mil pessoas compareçam na banda até o final da festa, prevista, assim como todos os eventos carnavalescos, para terminar à meia-noite.
O evento integra o mix do Carnaval de Educandos, que é diferenciado por resgatar, todos os anos, a folia em forma de blocos de sujos e concursos de fantasias.

Pessoas de todos os cantos da cidade prestigiam a festa, cujo símbolo é uma égua sempre vestida em trajes provocantes. As amigas industriárias Karol Reis, 20, e Kerolen Silva, 24, que residem no bairro do Japiim 2 e que estavam ontem em  Educandos especialmente para a Hégua. “É muito bom vir aqui pra banda da Bhaixa da Hégua pois a gente trabalha a semana inteira e agora é hora de ir pra cá pra festa e relaxar. O que me traz aqui é a alegria e reencontrar os amigos, isso é tudo de bom”, comentou ela. 

Já Kerolen é mais entusiasmada e disse que e banda é a “melhor de Manaus; todos os anos nós estamos aqui e o que eu mais gosto aqui é o ambiente, a música, a bebida, tudo”. 

Outro lado da cidade

Moradores de bairros distantes da cidade também estiveram na Bhaixa da Hégua ontem, caso do supervisor Yata Anderson e da sua esposa, Ellen Vasconcelos, ambos com 40 anos. “Nós viemos do Dom Pedro para brincar aqui em Educandos”, comentou ele, vestido com uma camisa do Vasco da Gama.

A Bhaixa da Hégua reúne gerações inteiras de famílias. Mas, ontem, A CRÍTICA encontrou não apenas uma, mas três gerações brincando juntas: a professora Carmem Clice, 39, estava brincando no bloco com sua filha, Thais Vasconcelos, 20, que é mãe da pequena, mas já festeira, Lana Vitória, de apenas 1 ano e 1 mês de idade. “Estou aqui desde a primeira edição da banda e a minha filha já está trazendo a terceira geração. A banda representa a cultura do nosso bairro e me lembra de pessoas queridas que já se foram como a minha amiga Marisa, que está no céu e que foi uma das primeiras rainhas da Bhaixa da Hégua”, comentou a foliã.

A “bhanda” faz a festa não só de brincantes, mas também de vendedores ambulantes que aproveitam a época para vender da cerveja em lata de 3 por R$ 10 à latinha de refrigerante a R$ 3, entre outros produtos.