Publicidade
Carnaval
Criação na crise

Carnaval foi de superação e garra para escolas de samba de Manaus em 2017

Título conquistado pela Reino Unido da Liberdade no Grupo Especial foi marcado pela superação, criatividade e muita fé por parte de brincantes, torcedores e dirigentes das escolas de samba de todos os grupos 28/02/2017 às 05:00
Show reinounido2017
Casal de mestre-sala e porta-bandeira da Reino do Amanhã: escola do Morro investe sério na formação de crianças visando formar um cidadão de paz / Foto: Evandro Seixas
Paulo André Nunes Manaus (AM)

O Carnaval deste ano, cujo título  do Grupo Especial foi conquistado pela Reino Unido da Liberdade, foi marcado pela superação, criatividade e muita fé por parte de brincantes, torcedores e dirigentes das escolas de samba de todos os grupos do Carnaval de Manaus. Tudo por conta da crise econômica que abate as escolas de samba.

Para driblar a crise, os engenhosos artistas de galpão “quebraram a cabeça” para transformar lixo em luxo por meio da reciclagem. Um dos produtos sempre descartados pelas empresas do Pólo Industrial de Manaus (PIM) e que são reutilizados são os sacos de estôpa,  utilizados nos carros alegóricos. “Essa crise fez com que nós, artistas, nos esmerassémos ainda mais em busca de materiais que fossem utilizados nas nossas obras”, destaca o parintinense Jander Rodrigues Leocádio, responsável pelas alegorias da Andanças de Ciganos.

Escolas como a A Grande Família, por exemplo, fizeram suas alegorias em apenas duas semanas, informou o artista Jaimison Cardoso, conhecido como “Mingo”, para A CRÍTICA ainda na semana passada. 

Mudanças e polêmica

O Carnaval deste ano também teve mudanças em relação ao regulamento do ano passado e anunciadas pela Comissão Executiva das Escolas de Samba de Manaus (Ceesma). A mais branda delas foi que, diferente do ano passado, não haveria duas escolas de samba campeãs sob hipótese nenhuma, já que se a igualdade seria decidida pela leitura do primeiro quesito, ontem, na apuração (no caso, o de enredo).

Mas, a decisão mais polêmica foi de não constar, neste Carnaval, o acesso e o descesso não apenas para o Grupo Especial, mas também para os grupos A, B e C. “Não concordamos com decisões como essa”, disse o jornalista Saulo Borges, presidente da Mocidade Independente de Aparecida e que é vice-presidente da Ceesma. Ontem, inconformado com as notas que estavam sendo atribuídas à sua agremiação, ele se retirou da sala de apuração dos pontos.

Avaliação positiva

O vice-presidente da Rede Calderaro de Comunicação (RCC), Dissica Tomaz Calderaro, avaliou positivamente um Carnaval que foi de superação, e destacou, também, o Estandarte do Povo de A Crítica, tradicional premiação que é concedida anualmente às agremiações que se destacam no desfile.

"É um trabalho feito com muito amor por todas as escolas, pelos seus presidentes, por todas as comunidades, que se entregam e se doam ao Carnaval da cidade. Eles estão de parabéns mesmo, foi lindo de ver os desfiles no Sambódromo. O Estandarte vem para levar uma opinião do povo, no entendimento dele o que foi melhor na avenida”, comentou Dissica.

Assim como no ano passado, o desfile do Grupo Especial de Manaus foi transmitido ao vivo pela TV A Crítica, emissora da Rede Calderaro, e teve envolvimento direto de todos os veículos da RCC.

Títulos

Três escolas de samba também festejaram o título em suas categorias neste ano: Primos da Ilha (Grupo de Acesso A), Mocidade do Coroado (B) e Tradição Leste (C).