Publicidade
Carnaval
Especiais

Paraenses querem desbancar os amazonenses no Peladão

Neste ano, o Peladão recebe a maior quantidade de equipes paraenses de todos os tempos, que prometem garra e determinação dentro e fora de campo para seguirem adiante na competição 16/10/2015 às 09:03
Show 1
Aonde eles vão tem sempre uma bandeira e o amor pelo futebol
EQUIPE PELADÃO 2015 ---

Paraenses residentes em Manaus, que gostam de futebol e têm amor pelo seu Estado, mostram toda a força no maior campeonato de peladas do mundo, o Peladão Brahma, com seis clubes que levam o nome de suas cidades ou fazem referência a times da “terrinha”. Neste ano, o Peladão recebe a maior quantidade de equipes paraenses de todos os tempos, que prometem garra e determinação dentro e fora de campo para seguirem adiante na competição.

Um dos clubes mais antigos a representar o Pará no Peladão, o Obidense FC, está na ativa há 27 anos e, com ele, uma das maiores torcidas do campeonato, conforme informou o diretor de esportes do clube, Walmir Ferreira. “O paraense gosta muito de futebol e tem amor pelo seu Estado. A nossa torcida foi a melhor do Peladão em 2011, 2012 e 2013 e esse amor resplandece por estarmos fora do nosso Estado”, confessou.

A torcida do Obidense e os boleiros se orgulham de fazerem história aqui em Manaus, nos estádios da Colina e na Arena da Amazônia, em 2014. Mais de 3 mil paraenses encheram a arquibancada na vitória do Obidense contra o Tabuleiro/Amigos do Felipe, no jogo de abertura do Peladão no ano passado, com o Jogo da Amizade.

A diretoria do time é toda de Óbidos e alguns de seus jogadores são paraenses. Completam o plantel craques que fizeram história no Amazonas e fora do País, como os jogadores Lima (ex-Roma), Pará (de Belterra), Maurício (ex-São Raimundo), Come-Lixo, entre outros. A base do time está junta há cinco anos. No Peladão deste ano o time fez duas partidas, fazendo 15 gols e não sofrendo nenhum.

SANTARÉM FC

 Participando pela primeira vez do Peladão, mas jogando juntos há sete anos no bairro da União, os boleiros do Santarém FC cresceram nos campeonatos do bairro na Boca do Jacaré (Arena União), passando pelo Sub-15, Sub-17, amador e agora enfrentam o desafio de encarar o Peladão. A maioria dos jogadores são de Santarém e Monte Alegre. Invicto na competição, a equipe tem uma vitória e um empate. “Eu confio na molecada, a media de idade é 23 anos e estamos prontos para vencer”, declarou o técnico Janderson Bacelar.

Terra Santa na área

Com 90%? do time formado por jogadores de Terra Santa, os boleiros do Terra Santa FC são um dos caçulas dos times paraenses no Peladão Brahma. Com mando de campo no Núcleo 15 da Cidade Nova, Zona Norte, a equipe decidiu entrar no Peladão se espelhando nos times mais experientes. Classificado para a próxima fase, o time briga pela liderança da chave 89, pois ganhará o benefício de ir para o segundo mata-mata direto.

Os boleiros do Terra Santa têm como referência no futebol os clubes Jamari e Juvenil, que fazem o clássico Ja x Ju em Terra Santa

Temos o amor pela cidade e prezamos a união. Onde a gente chegar, o que importe é que fizemos nosso trabalho. 90% do time é de Terra Santa. “Jogar com os colegas de Terra Santa é um privilégio pra mim”, explicou o jogador Moisés Lopes, o “Pará”, 36, um dos mais experientes da equipe e que está em Manaus há seis anos. Ele é rodado nos campeonatos de bairros da cidade e pretende levar essa “bagagem” para o Peladão. “Ano que vem pretendemos trazer reforços de Terra Santa para o nosso time no Peladão”. Para suprir nas necessidades básicas do time, o Terra Santa criou o programa Sócio Torcedor, na qual os amantes do futebol e simpatizantes pelo time ajudam com uma pequena contribuição para custear as despesas nos dias de jogos.

Santarém não fica fora da festa

Representando o bairro da Praça 14, o Clube de Amigos Los Paraenses tem no plantel a maioria dos jogadores de Santarém. Com equipe renovada (antes era Máquina Gol), o clube estréia no Peladão e já acumula uma vitória e uma derrota.

Para o presidente e jogador do time, Arlisson Pereira, a grande dificuldade é não ter um mando de campo, pois não há nenhum na Praça 14, forçando o time a treinar em quadra sintética.

Mas mesmo assim, os atletas jogam junto há sete anos na quadra e esse entrosamento eles levam para o campo, visando a visibilidade que o Peladão Brahma proporciona aos diversos clubes. “Resolvemos participar porque a competição é uma das melhores do campeonato amador”, destacou Arlisson, animado com a primeira temporada.

Paysandu, bicho-papão

Destaque nos campeonatos do Ouro Verde, Zona Leste, e formado pela maioria de boleiros paraenses, o Paysandu do Ouro Verde FC debuta no Peladão com o elenco formado na maioria por jogadores de Óbidos, Santarém e Oriximiná.

Com o mando de jogo no campo do Soldado, os craques do Paysandu do Ouro Verde recebem total apoio da liga do bairro para avançar na competição.

Comandado por Joel Vinhote, o “Joka”, o time conta com jogadores experientes como o goleiro Charles, que tem passagens por São Raimundo (PA), América e considerado pela equipe como um bom defensor de pênaltis. Na briga pela classificação, o time tem um empate, uma vitória e uma derrota.

JURITIENSE/AMIGOS DO BAHIAClassificado invicto para a próxima fase do Peladão e com 100% do time nascido na cidade de Juruti (PA), o Juritiense/Amigos do Bahia é o representantes Master do Pará na competição.

Apesar do time ser estreante no certame, os boleiros são experientes e “rodados” em outras competições, alguns com títulos conquistados no Peladão, como os craques Careca e Alex.

Com mando de campo no Teixeirão e no Nova Floresta, o Jurutiense tem como meta este ano ficar entre os melhores, ainda que não venha o título. “A nossa intenção é chegar entre os grandes e ano que vem vamos trabalhar para chegar às finais”, enfatizou o presidente do time, Elvis Brelaz.