Publicidade
Esportes
Craque

A cem dias para a Copa, Brasil enfrenta dificuldades

Falta, por exemplo, concluir três dos 12 estádios que receberão partidas - considerando-se que a Arena da Amazônia Vivaldo Lima, aqui em Manaus, será inaugurada no próximo domingo (9) 04/03/2014 às 09:34
Show 1
Os problemas ultrapassam os limites do campo. Em vários aeroportos as intervenções não ficarão prontas até junho
Jornal A Crítica Manaus (AM)

Em 30 de outubro de 2007, quando o Brasil foi oficialmente designado sede da 20ª Copa do Mundo, em um evento cheio de pompa e autoridades na sede da Fifa em Zurique, na Suíça - a delegação brasileira era chefiada pelo então presidente Lula e pelo então presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira -, parecia haver tempo suficiente para preparar a competição, dentro e fora do campo. Quase sete anos se passaram e, a exatos 100 dias de Brasil e Croácia abrirem a competição no estádio Itaquerão, a Arena Corinthians, em São Paulo, o País vive uma corrida contra o tempo. Há muito o que fazer até o início do Mundial. Nesta reta final da preparação, ainda há muito trabalho pela frente para que o Brasil, de fato, realize a “Copa das Copas” como vem pregando a presidente Dilma Rousseff.

Falta, por exemplo, concluir três dos 12 estádios que receberão partidas - considerando-se que a Arena da Amazônia Vivaldo Lima, aqui em Manaus, será inaugurada neste domingo (entre Nacional e Clube do Remo, pela Copa Verde) - entre eles o palco de abertura, o Itaquerão. Com o cronograma comprometido por um acidente em novembro passado que teve como pior consequência duas mortes de operários, vai ser entregue apenas em 15 de abril - ou 15 de maio, como disse o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke.

Extra-campo

Os problemas ultrapassam os limites do campo. Em vários aeroportos as intervenções não ficarão prontas até junho. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, inclusive, já se contenta com a entrega de “boa parte” das obras. O mesmo ocorre com a mobilidade urbana, com apenas meia dúzia dos 41 projetos finalizados. Muita coisa deverá ser concluída em cima da hora; mas parte significativa ficará para o pós-Copa. A estrutura de telecomunicações também preocupa.

Os atraso pode comprometer a qualidade de alguns sistemas e equipamentos que serão instalados. Segundo especialistas da área, por exemplo, são necessários 120 dias para instalar toda a infraestrutura de telecomunicações (antenas, cabos, roteadores e vários outros itens). Até agora, nenhum dos 12 estádios teve o sistema instalado.

Há obras complexas por fazer, mas até intervenções simples estão atrasados. É o caso das obras no entorno do Beira-Rio, em Porto Alegre. Basicamente, é preciso fazer a pavimentação das vias, pequenas, mas ainda não foi feita sequer a licitação - o primeiro edital não teve interessados. Com isso, há o risco de a obra acabar durante a Copa (o prazo de execução é de quatro meses). Há situações em que a obra prometida será entregue parcialmente. O principal exemplo é o do VLT entre Cuiabá e Várzea Grande, no Mato Grosso, projetado, entre outros argumentos, para atender a Arena Pantanal. Até a Copa, porém, só estarão concluídos 5,7 km dos 23 km do percurso.

Eles existem aspectos positivos

Há fatores positivos a 100 dias da Copa. A Seleção Brasileira mostra-se competitiva, os estádios que já estão em operação são modernos e confortáveis e a procura por ingressos é a maior da história dos Mundiais.Fotos: Reprodução e Bruno KellySímbolos Acima, camisa da Seleção Brasileira, que vive bom momento e que dá esperanças para o torcedor; ao lado, a Arena da Amazônia Vivaldo Lima, que inaugura no próximo domingo com Naça x Remo.