Publicidade
Esportes
Craque

‘A dieta serve pra qualquer um’

Exclusivo, mestre Rorion Gracie, fundador do UFC fala sobre seu livro, "A Dieta Gracie". 30/09/2012 às 18:18
Show 1
Rorion Gracie apresenta seu livro que traz a "Dieta Gracie"
Paulo Ricardo Oliveira Manaus (AM)

Rorion Gracie é um sessentão em plena forma cuja obra principal foi ajudar familiares a disseminar o jiu-jitsu na América do Norte. Enquanto o irmão Royce provava a superioridade da arte suave sobre as outras modalidades de luta, no tatame, Rorion levava o denominado Brazilian Jiu-Jitsu (BJJ) para o concorrida e cinematográfica Hollywood, além de ensinar as técnicas do pano a gente influente dos Estados Unidos. O mestre diz ter revolucionado o mundo com o jiu-jitsu. Agora, Rorion quer emplacar outra revolução: a chamada Dieta Gracie, que tem na tal combinação química dos alimentos o segredo para a boa saúde e longevidade. Rorion - que também tem no currículo a criação do UFC - conversou sobre a sua mais recente obra.

Fale um pouco sobre sua vida nos Estados Unidos?

Sou muito grato às oportunidades que tive aqui na América. Depois de muitos anos dando aulas na minha garagem, e centenas de desafios contra praticantes de outras modalidades, tive a feliz ideia de criar o UFC, onde o Royce, demonstrou a eficiência do jiu-jitsu brasileiro para o mundo.

O senhor parece viver uma nova fase, com um filho pequeno, casa nova...

Eu tenho dez filhos e por isso, sempre tive filho pequeno por perto (risos).

O senhor pode citar o nome dos seus filhos e da sua esposa? Claro: Rose, Riane, Ryron, Rener, Ralek, Segina, Reylan, Roran, Renon, Ricon e minha mulher se chama Silvia.

Quantas academias o senhor administra?

Temos uma em Torrance e outra em Beverly Hills que foi aberta há três meses. Além disso, temos um curso de formação de professores através da Internet, onde depois de formados ensinam em várias cidades do mundo. Temos atualmente mais de 100 professores. Interessados devem visitar nosso site www.gracieuniversity.com

O senhor fez algumas participações em filmes de Hollywood. Ainda faz isso?

Fiz a coreografia das lutas das sequências do “Maquina Mortífera” 1 e 3. Atualmente estou somente ensinando alguns artistas.

O senhor disse que pretende revolucionar o mundo com a Dieta Gracie. Como isso será feito?

O jiu-jitsu é uma arte que, sem dúvida, beneficia muita gente. Porém, nem todo mundo esta querendo saber de lutar. No entanto, todo mundo quer saber como comer melhor, pois uma dieta saudável poderá garantir a todos uma vida mais longa e feliz. Estou na America há 38 anos e consegui uma popularidade muito grande em todo o mundo para o nome Gracie. Isto me dá credibilidade para compartilhar o grande segredo do sucesso da família Gracie, a nossa Dieta.

Quais os benefícios dessa dieta para os atletas?

Esta dieta não é só para os atletas. Serve para qualquer um. A digestão de qualquer alimento requer um tremendo consumo de energia. Além disso, quando os alimentos são combinados de maneira errada, causam uma série de problemas de saude como, azia, dores de cabeça, má digestão, irregularidade intestinal, úlceras, etc.

Qual o segredo da combinação de alimentos?

A ideia é fazer com que a combinação química dos alimentos, ao serem ingeridos, facilite a digestão, evitando a fermentação e a acidez do sangue que são as causas da maioria das doenças infecciosas e degenerativas.

Comer de três em três horas faz bem, como os nutricionistas modernos recomendam?

Nós recomendamos um espaço mínimo de quatro horas e meia entre as refeições. Todos os detalhes estão no livro A Dieta Gracie, disponível nas grandes livrarias.

O senhor disse que a família foi cobaia da dieta implementada pelo seu tio Carlos Gracie, é isso?

Sim, é verdade. Tio Carlos, o criador da dieta não era médico, mas era um autodidata em nutrição. Ele estudou muito e chegou a conclusões revolucionárias que têm se mostrado corretas e, por isso, ajudado a melhorar a saúde de milhares de pessoas em todo o mundo.

O que é mais importante para o senhor a arte do jiu-jitsu ou a dieta Gracie?

Os dois são tudo para mim, mas se eu tiver que escolher, fico com a dieta, pois nada é mais importante que a saúde!

Como a senhor analisa o MMA atual?

Fico muito orgulhoso de ver que a minha ideia tornou-se o esporte que mais cresce no mundo. Porém, sei que atualmente o propósito é diferente da minha visão original, que era a de comparar estilos de lutas. Hoje passou a ser uma comparação de atletas individuais.

O senhor se arrepende e ter vendido a marca UFC para os irmãos Fertitta?

Não, pois, como já disse, a versão atual não mais reflete a minha visão original do evento. O senhor disse que não tinha a intenção de ganhar dinheiro com o UFC e que o evento tão somente era para provar a superioridade do jiu-jitsu sobre outras artes.

Não seria um discurso de conformismo em relação aos milhões de dólares que a organização rende aos atuais donos?

É fácil pensar nisso, principalmente se levarmos em consideração que, para a grande maioria das pessoas, só o que interessa é o dinheiro. Porém, este este não é o meu caso. Se eu tivesse continuado como sócio do UFC somente por causa do dinheiro, eu estaria indo contra um legado de honra que sempre me motivou a fazer tudo que fiz. Dinheiro é consequência do meu trabalho, não a razão do meu trabalho.