Publicidade
Esportes
ADEUS

Ao som do hino do América, corpo de Amadeu Teixeira é sepultado em Manaus

Amadeu Teixeira foi enterrado sob aplausos e ao som do hino do time que fundou e foi treinador por 50 anos 08/11/2017 às 17:29 - Atualizado em 08/11/2017 às 19:56
Show amadeu enterro
Fotos: Antonio Lima
Camila Leonel Manaus (AM)

O corpo do fundador e ex-treinador do América, Amadeu Teixeira, 91, foi sepultado na tarde desta quarta-feira (8) no cemitério São João Batista, na av. Boulevard Alvaro Maia, bairro Nossa Senhora das Graças, na Zona Centro-Sul de Manaus.

Amadeu foi enterrado sob aplausos e ao som do hino do América, que foi puxado por seu compositor Daniel Salles, que emocionado entoava a frase “América do meu coração”.

“Ele era uma lenda para mim desde que eu era garoto. Me identificava com o América e fiz o hino em 1999, quando o América fez 60 anos. E em 2001 gravamos o hino e o dei de presente”, disse Daniel, que não imaginava cantar o hino que compôs no enterro de Amadeu. “É uma coisa recorrente, mas não entrava na minha cabeça que isso iria acontecer. Para mim, ele chegaria aos 100 anos”, completou.

Morte

O ex-treinador Amadeu Teixeira faleceu, na noite da última terça-feira (7), na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular da Zona Centro-Sul de Manaus.

No dia 6 de setembro, Amadeu sofreu um acidente doméstico, onde fraturou três costelas. Dias depois, sofreu uma parada cardíaca. Após incidente, seu quadro clínico ficou estável.

O velório foi realizado desde as 6h no Ginásio Poliesportivo do Amazonas, antiga Arena Amadeu Teixeira, localizada na rua Loris Cordovil, no bairro Flores, na Zona Centro-Sul de Manaus, ao lado da Arena da Amazônia. 

Histórico

Amadeu Teixeira entrou para o "Livro dos Recordes", o Guinness Book, como o treinador que por mais tempo ficou à frente da mesma equipe, ao todo foram 50 anos treinando o América Futebol Clube, de Manaus, time que ele fundou.

A lenda do futebol baré recebeu diversas homenagens em vida, como a nomeação do ginásio poliesportivo ao lado da Arena da Amazônia. O nome dele foi retirado do espaço por recomendação do Ministério Público Federal, pelo fato de Amadeu ainda estar vivo à época.

Com seu falecimento, abre-se a possibilidade de o ginásio voltar a ser batizado com o nome de Amadeu Teixeira.

Publicidade
Publicidade