Publicidade
Esportes
CONFIANTE

Após assalto e perda de cinturão, Marcos Loro projeta voltar ao topo do Bellator

Lutador amazonense conquistou o título em 2015, mas perdeu em seguida. A luta agora é para voltar ao topo do ranking 30/08/2017 às 09:51
Show loro
Aos 35 anos de idade, lutador amazonense não pensa em deixar o Bellator e projeta nova virada na carreira. (Foto: Divulgação)
Valter Cardoso Manaus

De quantos altos e baixos é feita a vida de um lutador? No caso de Marcos Loro, principalmente, são incontáveis. Especialista no jiu-jitsu, o manauara foi formado por Dedé Pederneiras, fundador da academia Nova União, e acumulou títulos no esporte antes de seguir para o MMA. “Eu comecei a lutar no Japão, fiz algumas lutas lá, disputei o cinturão, mas fui “garfado”. Ai depois recebi proposta para lutar o WEC (World Extreme Cagefighting) nos EUA, só que infelizmente eu não fui muito bem lá. Fui mandando embora, dai muita gente virou as costas para mim, foi quando o Vitor Shaolin (empresário e ex-lutador) me fez uma proposta de morar aqui em Nova Iorque e eu vim, aqui fiz alguns eventos, fui campeão, foi aí que consegui entrar no Bellator”, relembrou o lutador.
 
Após chegar na segunda maior organização de MMA dos Estados Unidos, o lutador passou a buscar o lugar mais alto das competições.  Loro estreou no Bellator em 2011 e dois anos depois já disputava o cinturão da categoria peso galo, diante de Eduardo Dantas, mas saiu do octógono sem conquistar o título que só viria dois anos depois, em 2015, ao vencer Joe Warren.

O posto de melhor da categoria, porém, não durou muito e na luta seguinte o mesmo Eduardo Dantas roubou o cinturão de Marcos Loro, quatro meses depois. Depois disso, o amazonense somou uma vitória e uma derrota, mas ainda espera mais uma chance de ser campeão. “Com certeza me distanciei de novo, mas acredito que com mais uma vitoria estarei no topo”, garantiu, confiante. 

Mas não só as batalhas dentro do octógono que o lutador precisou enfrentar. Em abril deste ano, Marcos  passou dificuldade após ser roubado, nos Estados Unidos, e precisou fazer uma campanha on-line pedindo ajuda financeira para poder reestruturar sua vida. “Eu fui de férias para o Brasil, quando voltei meu dinheiro não estava no cofre, levaram o dinheiro da minha vida. Tudo que eu tinha conquistado com muito suor e trabalho. A campanha me ajudou um pouco pois eu não tinha mais nada”, revelou o lutador que conseguiu arrecadar mais de R$ 81 mil apenas com as doações. 

Mesmo após ter seu nome ligado ao UFC algumas vezes e a perda do cinturão, Loro acredita que pode dar a volta por cima e recuperar a melhor forma na competição. “Estou muito bem no Bellator e  não pretendo sair”, decretou o amazonense que deve voltar a  lutar em novembro.