Publicidade
Esportes
Peladão 2016

Começa mais uma edição do maior campeonato de peladas do mundo

O Peladão Brahma 2016 começou neste final de semana e o que não faltou foi bola na rede; foram mais de 200 jogos nas categorias principal e master em partidas espalhadas por toda acidade de Manaus 19/09/2016 às 08:39
Show roma
Com dois gols de Romário e bela atuação de Ganso, o Clube do Pará goleou o Bayer da Paz na abertura do Peladão Brahma 2016 (Foto: Antônio Lima)
Denir Simplício Manaus (AM)

Teve início neste final de semana a 44ª edição do maior campeonato de futebol amador do planeta. O Peladão Brahma 2016  logo em sua primeira rodada contou com mais de 200 jogos nas categorias principal e máster. 

Como não poderia deixar de ser, a competição de futebol mais democrática do mundo teve em sua abertura uma verdadeira festa de gols pelos quatro cantos da cidade. Destaque para a goleada do Clube do Pará sobre o Bayern da Paz, pela Chave 98, da categoria principal.

Em partida realizada na tarde de ontem, no campo do Clube dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar, no conjunto Beija-Flor, bairro de Flores, na Zona Centro-Sul, a equipe que representa a comunidade paraense em Manaus não deu chances ao time “bávaro” do bairro da Paz, na Zona Centro-Oeste, e sapecou um 4 a 0, fora o baile.

Dupla Romário e Ganso

O confronto começou com a equipe do técnico Toinho encurralando o time treinado por Vinicius Adriano. Com o meia Douglas Farias, o Ganso, e o atacante Romário, botando pressão pra cima do Bayer da Paz, o Clube do Pará não demorou a abrir o marcador. Aos 7 minutos, Gabriel aproveitou bela jogada de Ganso e não perdeu a chance de colocar o representante do bairro Beija-Flor à frente do placar: 1 a 0 Clube do Pará.

Perdendo a partida, o Bayer da Paz se lançou ao ataque e deixou espaço para o habilidoso Ganso, que perdeu ao menos duas ótimas chances de aumentar o escore. Com isso, quem começou a se destacar foi o goleiro Alef, do Bayer, que fechou o gol no restante do primeiro tempo.

Apesar de ser homônimo do atual campeão alemão, o Bayer da Paz parecia falar grego dentro de campo e a uma conversa no intervalo entre elenco e treinador parece ter arrumado o time. Tanto que o Bayer pressionou o Clube do Pará nos primeiro cinco minutos do segundo tempo. 

Romário marcou dois na goleada em cima do Bayer (Foto: Antônio Lima)

Mostrando que esse negócio de treinador de futebol é coisa séria, Vinicius Adriano sacou do time o próprio irmão, o meia Bruno. “Ele me tirou por opção dele e porque eu estava cansado também”, disse Bruno já do lado de fora do gramado.

A mudança não surtiu muito efeito e logo o Clube do Pará reassumiu o controle da partida. Mais técnico que o adversário, o representante dos paraenses na capital chegaram ao segundo gol aos 13 minutos com Romário, depois de bela jogada de Magrão: 2 a 0 Clube do Pará.

Depois de tomar o segundo gol, o Bayer da Paz se perdeu de vez em campo e virou alvo fácil da dupla Ganso e Romário. Aos 21min, em outra grande jogada do camisa 22 do Clube do Pará, Romário fez jus ao nome de artilheiro e marcou o terceiro dos “filhos do Pará” no jogo - o segundo dele na partida.

Para fechar o caixão do Bayer da Paz, que passou longe de imitar o Bayer de Munique, ainda tomou o quarto gol. Aos 24min, Wesley só teve o trabalho de empurrar pro gol, após  bela jogada tramada por Ganso, Romário e Magrão.  Placar final 4 a 0 e início arrasador do Clube do Pará no Peladão Brahma 2016.

A Superação de Noé

Em tempos de Jogos Paralímpicos Rio 2016, um jogador em especial chamava a atenção no duelo entre Clube do Pará e Bayer da Paz. O zagueiro Noé, do representante paraense, nasceu com uma má formação em um dos braços e não possui a mão direita.

Noé em ação contra o ataque do Bayer (Foto: Antônio Lima)

Mesmo com a deficiência, o defensor foi um dos melhores em campo, o que apenas comprova que não há limites para quem faz o que ama. “Nasci assim, mas não tenho nenhuma dificuldade. Não me atrapalha em nada na hora de defender ali atrás”, revelou  o autônomo de 35 anos, que disse ter vibrado com os Jogos Paralímpicos Rio 2016.

“Tenho visto os Jogos. É empolgante ver aquelas pessoas praticando esporte e ganhando medalhas”, contou o jogador.