Publicidade
Esportes
Craque

Conheça a história da corredora que descobriu nas provas pedestres a felicidade

Andreia Erika, de 38 anos, antes sedentária, descobriu nas provas pedestres em Manaus o caminho para a felicidade e da vida mais saudável 22/04/2015 às 16:31
Show 1
Andreia começou a correr há pouco mais de um ano e já perdeu mais de 20 quilosEmpresas investem nos grupos de corrida e na qualidade de vida dos funcionários
Paulo André ---

A 32ª edição da Corrida Tiradentes, que acontece hoje a partir de 7h na Ponta Negra, e que integra a programação de 178 anos da corporação no Amazonas, contará com a participação de uma competidora bastante aguerrida e exemplo para os sedentários de plantão. Andreia Erika, 38, descobriu nas provas pedestres o caminho para a busca da felicidade e da vida mais saudável.

Erika era dessas pessoas que não gostavam de qualquer atividade física. Corridas? Só quando era mais nova, aos 20 anos. Mas, com o passar do tempo foi abandonando a prática e o sedentarismo foi tomando conta dela. E o peso também. Chegou a pesar 76 quilos. Mas, tudo começou a mudar há cerca de 1 ano, quando passou a integrar a equipe de corridas pedestres do Laboratório Sabin, empresa no qual é faturista, e que incentiva a participação de seus colaboradores em eventos esportivos.

“Fiquei sabendo que a empresa tinha esses eventos e, por curiosidade, comecei a apenas ver pois não era obrigada a correr. Depois, me falaram que eu poderia participar se quisesse. Comecei a me encantar e passei a ter uma vida melhor”, conta Andreia Erika.

E que mudança. A corrida a fez perceber que modificar sua alimentação poderia lhe trazer benefícios. Passou a introduzir saladas de legumes e verduras em sua dieta. Parou de tomar refrigerantes. Procurou um nutricionista que lhe falou para fazer uma educação alimentar. Atualmente, pesa 52 quilos. Ou seja: 24 kg a menos em 1 ano e uma rotina muito mais saudável que antes.

“Eu tinha uma vida desregrada e sem exercícios. Praticamente só trabalhava e estudava. Antes, eu ficava com vontade de comer tudo o que eu via, como por exemplo churrasco. Hoje, como bem menos. O esporte me fez perceber a vida saudável”. A mudança de hábito contagiou até a família de Erika: sua filha, Maria Eduarda, 7, e seu irmão Jorge Nickson, 42, militar, também aderiram às corridas. Antes, ela chegava nas últimas colocações. Para hoje, quer melhorar cada vez mais seu tempo. “Minha meta é chegar muito mais além”, disse.