Publicidade
Esportes
Craque

Copa A Crítica de Dominó ‘invade’ os bairros de Manaus

São os chamados “polos comunitários”, que reúnem as duplas inscritas em partidas em bares e até nas residências dos coordenadores 07/05/2012 às 08:00
Show 1
Organizar e jogar foi a ordem nos pólos comunitários na Copa A Crítica de Dominó
Paulo Ricardo Oliveira Manaus

Dezesseis duplas asseguram ida à segunda fase de disputa da Copa A Crítica de Dominó durante o fim de semana. São os chamados “polos comunitários”, que reúnem as duplas inscritas em partidas em bares e até nas residências dos coordenadores. No domingo de manhã, mesmo com a chuva forte que caiu na cidade, teve prosseguimento o polo do Bar do Jaime, na Rua Carvalho Paes de Andrade, no bairro de São Francisco, zona Centro-Sul. Era para reunir 20 duplas e cinco classificados, mas quatro duplas não compareceram em razão do toró.

“Houve partidas debaixo de chuva mesmo. Mas quatro duplas levaram WO” , explicou Adriano Jorge, coordenador do polo do Bar do Jaime, onde se classificaram à próxima fase as duplas: Ézio/Clóvis Fábio/Marcio Leonardo/Osmar Adriano/Eliomar.

“Meu parceiro às vezes me faz bater cabeça, mas deu tudo certo no final”, diz Adriano, parceiro de Eliomar.

Sábado à tarde, no polo coordenado por Juvandi Alves, na casa dele, passaram para a próxima fase as seguintes duplas: Rogildo/João, Williams/Adalberto, Jamil/Valdir e Maik/Luzenir. O dono da casa não conseguiu classificação.

“Acho que a preocupação em coordenar o polo acaba tirando um pouco a nossa atenção”, explicou Juvandi, que mora na Compensa 1, zona Oeste e montou o cenário para a disputa no pátio da residências. “Aqui, a gente tem uma tradição de jogar dominó das 16h até 20h. A gente só folga no domingo”, afirma o coordenador do polo.

Com tradição de revelar sempre duplas finalistas, o polo do Bar do Juruá, no conjunto Ajuricaba, Planalto, zona Centro-Oeste, também classificou quatro duplas, dentre as quais; Francisco/Pedro, vice-campeã do ano passado; Anderson/Cristiano, Saturnino/Toró e Aquel/Leonel, que completaram o “quarteto fantástico” de duplas de dominó do Bar do Juruá.

“A gente tem tradição de levar sempre quatro ou cinco duplas para as fases finais. Aqui no bar já é costume reunir as feras do dominó”, diz Francisco de Almeida, dono do estabelecimento e e parceiro de Pedro.

“Esse ano a gente quer ir além. Queremos ser campeões”, ressaltou.

A Copa A Crítica Dominó mobiliza um exército de jogadores debruçados pela cidade sobre uma mesa de bar - ou em casa - na disputa por um carro zero quilômetro para a dupla campeã e dois freezers cheios de cervejas para a dupla que ficar com o vice-campeonato.