Publicidade
Esportes
TRADIÇÃO

Copa José Carlos Mattos de Futebol de Mesa traz de volta regra de três toques

A competição começou nesta semana e conta com a participação de 21 botonistas, que vão disputar jogos até o mês de outubro 15/08/2017 às 12:09 - Atualizado em 15/08/2017 às 12:10
Show 1261163
(Foto: Divulgação)
Jael Lucena Manaus (AM)

Após uma pausa de mais de duas décadas, o futebol de mesa amazonense está voltando as ruas raízes, com competições de regras de 3 toques. Para marcar a volta da “era dourada” do botonismo, foi criada a “Copa José Carlos Mattos de Futebol de Mesa três toques”.

A competição começou nesta semana e conta com a participação de 21 botonistas, que vão disputar jogos até o mês de outubro. As partidas serão às segundas e quartas das 19h às 22h e aos sábados das 8h às 13h na Sala Jefferson Marques, localizada dentro do estádio Carlos Zamith, na Alameda Cosme Ferreira, Aleixo.

Durante os anos 80, os botonistas do Amazonas jogavam o tradicional futebol de mesa com a regra de 3 toques. Porém, os grupos acabaram se dispersando e a modalidade ficou "adormecida" no estado. A Associação Amazonense de Futebol de Mesa voltou à ativa em 2008, adotando uma nova regra, conhecida como “paulista de 12 toques”, que é uma versão mais rápida e simplificada da modalidade.

Nos últimos meses, a Confederação Brasileira de Futebol de Mesa propôs aos atletas amazonenses retomar as competições de três toques para o Estado. “Na modalidade de 12 toques, o jogador tem direito a três toques com cada botão até completar 12, ou dar toques intercalados até chegar em 12. Na regra de 3 toques, o jogo é mais estratégico. O jogador deve dar o primeiro e o segundo toque, se no terceiro o jogador der um passe, tem direito a mais um. O passe é quando joga-se a bola e esta encosta em outro botão do mesmo time. A regra de 3 toques é mais parecida com o futebol, tem lateral, árbitro, impedimento, falta e até expulsão de um dos jogadores do time em caso de 3 faltas técnicas. As partidas demoram mais”, explicou o botonista amazonense Winnetou Almeida.