Publicidade
Esportes
DE PÉ

De cabeça erguida, São Raimundo tenta ‘milagre’ diante do Iranduba

Para se classificar, time precisa de uma vitória por oito gols de diferença. Em toda a competição, marcou apenas um 31/10/2017 às 20:17 - Atualizado em 01/11/2017 às 10:07
Show zcr050101 p01
São Raimundo venceu apenas uma partida em toda a competição, diante do Rio Negro. (Foto: Evandro Seixas)
Valter Cardoso Manaus (AM)

A campanha está longe de ser a esperada. O São Raimundo chega a sua sexta partida do Campeonato Amazonense de Futebol Feminino precisando de um verdadeiro milagre para seguir na competição. Depois de ser vencido por 7 a 0 na primeira partida da semifinal, o Tufão da Colina enfrenta o Hulk precisando de uma vitória por oito gols de diferença nesta quarta-feira (01), às 20h, no estádio Carlos Zamith.

 Diante do favorito Iranduba, porém, a ideia do elenco é encerrar o campeonato da maneira mais digna possível. “Deve ser a nossa despedida,  mas nós vamos com tudo. Não vai ser tão fácil assim não”, garantiu a goleira Beth, um dos destaques do time durante a competição. 

Ainda assim, o time que sofreu com diversos problemas  durante a disputa do Barezão Feminino, um dos mais recorrentes foi a falta de jogadoras.  Em metade dos jogos que disputou no campeonato, o São Raimundo iniciou a partida sem  onze jogadoras em campo. “As meninas estão motivadas. Se nós vamos completos, o jogo é outro. Contra o Iranduba nós tivemos chances”, frisou o técnico da equipe, Pelé, que segue confiante em uma boa atuação da sua equipe. “Vamos lá. Mesmo esquema,  mesmo jogo, vamos para cima”, completou.  

Os números com que o time chega até a partida de hoje chegam a assustar. Ao todo, foram cinco partidas disputadas e apenas um gol marcado pelo São Raimundo. Na única vez que balançou as redes, o time superou o Rio Negro, na segunda rodada, o que garantiu a vaga na fase de mata-mata da competição. 

Mas nem mesmo os 98 gols sofridos durante o Barezão parecem desanimar o time, que pretende permanecer de pé, independente do resultado que o placar aponte ao final dos últimos 90 minutos.  “Se bobear, vamos surpreender, mas sabemos que é difícil tirar 7 gols de vantagem, sem contar que elas devem ir reforçadas com as jogadoras de seleção, eles vão para cima, querendo golear”, pontuou o experiente treinador da equipe feminina do São Raimundo.