Publicidade
Esportes
Giro na França

De Manaus para a França: conheça a rotina da ciclista amazonense Rebeca Fonseca

Rebeca foi para a França em busca de evolução e mais oportunidades no esporte, mas, além disso, encontrou uma família, e também a cultura e a língua francesa 25/06/2017 às 05:00 - Atualizado em 25/06/2017 às 11:52
Show fb img 1498076989029
Rebeca integra a equipe UVCA Troyes, e participa de competições todo final de semana, em várias cidades da França e até de outros países. (Foto: Divulgação/SC Photo Cycling)
Jéssica Santos Manaus (AM)

Na última semana, o CRAQUE foi até uma pequena vila chamada Germaine, na região de Champagne-Ardenne, para conhecer o cotidiano da ciclista amazonense Rebeca Fonseca, 26, que está vivendo como uma perfeita francesa, desde fevereiro, quando integrou a equipe UVCA Troyes. Líder do ranking brasileiro de ciclismo de estrada nos últimos três anos, Rebeca foi para a França para melhorar seu nível competitivo e ter mais oportunidades no esporte.

 “Estou muito feliz por estar aqui, e meu plano é voltar à França no ano que vem, e assim fazer todo o ciclo olímpico, até 2020, em Tokio”, afirma ela que ficará até o fim de agosto.
A mudança na vida de Rebeca, que vivia em Manaus, com seu esposo e técnico, Gil Machado Jr. e com seu filho, Mateus, foi bem grande, e ela conta como foi sua adaptação à nova realidade, que inclui falar francês.

 “Quando cheguei, tudo era novo. A comunicação foi difícil pra mim, mas, como a família que me acolheu aqui também fala espanhol, foi fácil desenvolver o francês.  Tanto que eu já compreendo tudo, falo também, e se for uma apresentação rápida, nem percebem que sou brasileira, pois aprendi com os franceses, então não adquiri vícios de linguagem”, disse Rebeca. 
Outra mudança grande para Rebeca foi em relação ao clima. Quando a ciclista chegou à França estava muito frio e ela chegou a ver neve, e agora está bem quente por lá, no início do verão. “É surpreendente porque a corrida em que me saí melhor foi numa em que estava muito frio, e agora estou sofrendo com o calor, mesmo tendo vindo de Manaus”, conta.

Mas Rebeca afirma que nem tudo mudou. “Com relação aos treinos, tudo é bem parecido com o que eu fazia no Brasil, com pouquíssimas mudanças”.
Competindo todo fim de semana, Rebeca tem sentido sua evolução. “Tem sido excelente para mim, competir sempre com muitas atletas fortes e ganhar experiências. A cada corrida me saio melhor, já conquistei alguns pódios, e sempre ajudo a equipe, então, estou contente”.
 

Cotidiano na França
Em Germaine, Rebeca vive na bela casa da família Robert, e tem um quarto só dela. Ela conta que tem o apartamento da equipe à sua disposição, mas prefere ficar na casa da família que a acolheu. “Eles são fantásticos. A minha ‘mãe’ aqui na França, Isabelle Robert, faz uma comida deliciosa, e ainda tenho a vantagem de treinar com meus novos irmãos, Camille, Esteban e Estelle, que são ciclistas também (risos)”. O pai dos ‘irmãos’ de Rebeca, Yannick Robert, é o diretor esportivo da equipe UVCA Troyes. 


E, realmente, no dia em que visitei Rebeca, o almoço foi digno de reis, com direito a champanhe, entrada de saladas, lasanha, degustação de queijos e sobremesa. E a paisagem verde da vila de Germaine é de tirar o fôlego; enquanto a família vive de forma tranquila, com direito à horta e criação de duas cabras na frente da casa, e a uma garagem só para bicicletas e peças.

Na França, a ciclista tem a rotina dos sonhos de um atleta de alto-rendimento. Lá, ela treina, compete e descansa. Mas, como participa de competições todo fim-de-semana, Rebeca está tendo oportunidade de conhecer novos lugares. “Conheci várias cidades, inclusive da Bélgica. E vou conhecer também a Espanha e outros países, por causa das competições”, conta.

Amor ao esporte
Rebeca adorou o fato de o público francês ser apaixonado pelo esporte, como afirma a atleta. “É muita gente praticando ciclismo. E quando você ganha uma corrida, você é elogiado por todos que te conhecem. As pessoas têm a curiosidade de olhar nos sites qual corrida tem naquele dia, e quem venceu ou se destacou”, conta ela. E por ser brasileira, Rebeca conta que está sendo ainda mais querida. “Os franceses gostam dos brasileiros, eles têm um carinho muito grande por nós”, enfatiza.

Saudade
Rebeca sempre soube que a saudade da família seria um pouco difícil de administrar, mas ela está focada na sua evolução no ciclismo, e conta que mantém seu esposo e filho próximos, mesmo que estejam distantes. “Tem dias em que a saudade é quase insuportável, mas eu ligo todos os dias pra eles, através da chamada de vídeo, e isso ajuda, pois, se você pensar, é meio louco largar tudo e vir para tão longe”, afirma. 

Rotina de treinos e competições

 

Rebeca compete todos os fins de semana, com provas de 70 a 100 km, com subidas de até 1000 metros acumulados, mas tem um foco. “Meu objetivo são as dez etapas da Copa da França, sendo uma a duas etapas por mês. Então, durante a semana, treino todos os dias, diminuindo a intensidade antes das competições mais importantes”, explica Rebeca. Nesses dias leves, ela disse que nem sai de casa porque, como me mostrou durante um passeio de bike, aonde quer que se vá ali, sempre há subidas fortes.

 

Rebeca detalhou como são seus treinos na França para se preparar para provas tão duras. “Se competirmos no domingo, na segunda é giro (leve) de 1h30. Na terça, fazemos 2 horas de treino, quarta dá bastante gente, e dá para simular treinos com vácuo, 2h30 ou vácuo na moto; quinta é um dia de descanso; na sexta, temos 1h30 de pedal fazendo 30 segundos forte, 30 segundos fraco. Sábado, fazemos um giro de uma hora, com sprints, para nos prepararmos para a corrida de domingo.

A ciclista vai permanecer na França até o fim de agosto, quando termina a temporada. Até lá, além de seguir competindo, ela vai poder assistir de perto ao famoso ‘Tour de France’, em que estão os melhores ciclistas do mundo.