Publicidade
Esportes
ESPÍRITO OLÍMPICO

Uma Olimpíada infanto-juvenil toma conta do coração da Floresta Amazônica

Entre os dias 10 e 12 de março, uma comunidade no interior do Amazonas recebeu as Olimpíadas na Floresta, com crianças e adolescentes como protagonistas 18/03/2017 às 16:04 - Atualizado em 19/03/2017 às 08:21
Camila Leonel Manaus (AM)

Sete meses depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, uma outra Olimpíada aconteceu em solo brasileiro, desta vez  a competição aconteceu entre os dias 10 e 12 de março,  no Norte do País, no meio da floresta Amazônica, mais especificamente na comunidade Vila Nova do Amanã, localizada a 638 quilômetros de Manaus. 

Para chegar à sede olímpica, a equipe de reportagem do CRAQUE encarou uma odisseia de oito horas de viagem, alternando avião, barco e lancha até o local da competição, que fica dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Amanã, no município de Maraã (a 561 km de Manaus).

Na comunidade o clima era de preparação. As mulheres corriam para colocar os últimos enfeites nas arquibancadas e na ponte. Em um palco montado na frente do centro de convivência de Vila, músicos ensaiavam os últimos acordes. Sol forte, sorriso no rosto. Era visível o orgulho em cada um.

A movimentação, porém, não foi restrita aos trabalhos em terra firme. No rio à beira de Vila Nova, barcos – que serviram de transporte e alojamento - estavam atracados. Traziam 467 competidores de 14 polos que compõem a reserva para a disputa de sete modalidades: futebol, vôlei, corrida de 100 metros, corrida de saco, queimada, dominó e tiro com arco.

Mas muito além do esporte, as Olimpíadas na Floresta é meio de integrar comunidades e incentivar o desenvolvimento dos ribeirinhos. O evento está inserido no Programa de Desenvolvimento Integral de Crianças e Adolescentes Ribeirinhas na Amazônia (Dicara), que existe desde 2014, desenvolve ações voltadas à garantia dos direitos de crianças e adolescentes de Unidades de Conservação (UC) no Amazonas e abrange crianças de 7 a 17 anos. Em três anos, o programa beneficiou 1.733 crianças e adolescentes de 115 comunidadesdos municípios de Carauari, Maraã, Uarini, Novo Aripuanã e Itapiranga em parceria com Conselhos Municipais da Crianca e do Adolescentes e prefeituras.

 Para o coordenador do projeto Dicara, Francisco Ademar, a inspiração para as Olimpíadas na Floresta saiu dos Jogos do Rio e após encontro de lideranças comunitárias. “Para nós é um orgulho escrever isso na história das crianças e da comunidade”, declarou.