Publicidade
Esportes
Craque

Despedida de Londres mostrou 'esquenta' para Olimpíadas no Brasil

Cerimônia de encerramento dos Jogos emociona e ‘abre as portas’ para as Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016 13/08/2012 às 07:48
Show 1
Símbolo das Olimpíadas do Rio-2016 foi destacado na cerimônia de ontem
LEANDRO PRAZERES ---

LONDRES – Em três horas, os ingleses mostraram ao mundo que as cerimônias de encerramento de Olimpíadas podem ser tão emocionantes quanto as de abertura. Alternando astros da música pop e personalidades do show bizz britânico, a cerimônia emocionou os mais de 80 mil espectadores presentes ao Estádio Olímpico de Londres. Agora, a “bola” está com o Brasil, que vai sediar as próximas Olimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016. A cerimônia, diferentemente da de abertura, não teve um enredo bem definido. Talvez por isso, tenha emocionado de uma maneira diferente.

O grupo artístico Stomp, conhecido pelo trabalho de percussão em latas aliado a dança, iniciou a apresentação “batucando” em pontos turísticos representados no palco montado no Estádio Olímpico. A coleção de astros da música começou com as bandas Pet Shop Boys, One Direction, Ray Davies, Emeli Sandé, George Michael, Jessie J. Fatboy Slim, Taio Cruz, Spice Girls e Russel Brand.

Brasucas
No campo brasileiro, a passagem da bandeira olímpica foi feita pelo prefeito de Londres, Boris Johnson, para o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. Nenhum dos dois fez discurso. O espetáculo brasileiro no Estádio Olímpico contou com a cantora Marisa Monte entrando em cena como a deusa iorubá Iemanjá e cantando um trecho do vocalize mais famoso de Heitor Villa-Lobos, as Bachianas nº 8.

O cantor e ator Seu Jorge encarnou o saudoso cantor Wilson Simonal e interpretou a canção “Nem vem que não tem”. Mulatas passistas se juntaram aos dançarinos do Boi Garantido, que fizeram uma discreta aparição na cerimônia, marcando os traços indígenas da cultura brasileira. O “gran finale” da apresentação brasileira, dirigida pelos cineastas Cao Hamburger e Daniela Thomas, foi a chegada de Pelé, que entrou disfarço no palco para encontrar com o gari-dançarino Renato Sorriso, que acabou se tornando o grande show-man da cerimônia de ontem em Londres.

 Em seu discurso de agradecimento, o presidente do Comitê Organizador das Olimpíadas de Londres, Sir Sebastian Coe, enfatizou o quanto os Jogos de Londres foram apoiados pela população britânica e agradeceu, em especial, às dezenas de milhares de voluntários que participaram da organização do evento. “Obrigado ao povo deste país. O povo britânico deu apoio à aposta de Londres e deu apoio aos Jogos de Londres. Nossa cerimônia de abertura proclamou que estes seriam os de todos. Em nossa cerimônia de encerramento, podemos dizer que estes foram os jogos por todos”, disse Sebastian Coe.

Números
80.000 Emocionadas pessoas estavam presentes, ontem, no Estádio Olímpico, na festa de encerramento das Olimpíadas de Londres.
1.452 Dias, ou seja, quatro anos, faltam para a realização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, que já vem gerando expectativas.

Brasil quer ser top 10
As Olimpíadas de Londres não ficarão marcadas apenas pelos recordes batidos ou pela precisão na organização do evento. Além do legado de infrasestrutura, com novas linhas de metrô e trem construídas em uma área até então esquecida da capital inglesa, as Olimpíadas de 2012 marcam o retorno do Reino Unido à elite dos países no quadro geral de medalhas. Em Sidney, 2000, os britânicos ficaram em décimo lugar no quadro geral de medalhas. Quatro anos depois, mantiveram-se na mesma posição. O salto começou em 2008, em Pequim, quando o Reino Unido pulou para a quarta posição. Em 2012, os anfitriões se superaram e ficaram em terceiro lugar, atrás apenas de China e Estados Unidos. De acordo com o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, o Brasil precisa se inspirar em algumas experiências bem sucedidas dos ingleses para replicar nos jogos brasileiros. Ele citou, o transporte, como ponto de tensão. Em entrevista coletiva realizada ontem, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro destacou que a meta do Brasil para 2016 é chegar ao “top 10” do quadro geral de medalhas em 2016. Neste ano, com três medalhas de ouro, cinco de prata e nove de bronze, o Brasil subiu apenas uma posição no ranking, saindo da vigésima terceira colocação (2008) para a vigésima segunda. Nuzman disse que em Londres, houve uma grande pulverização na distribuição das medalhas, com países que nunca haviam conquistado nenhuma surgindo e outros países que se “especializaram” numa modalidade e conseguiram várias medalhas neste esporte, caso da Hungria, que conquistou três ouros na canoagem e o Casaquistão que conquistou quatro ouros no levantamento de peso. O investimento brasileiro nestes Jogos foi de R$ 11 milhões, 28% maior que em Pequim.