Publicidade
Esportes
F1

Rosberg e Hamilton seguem na briga pelo título de 2016

A Mercedes liberou a disputa entre os dois pilotos no Mundial de Fórmula 1 22/10/2016 às 19:38 - Atualizado em 23/10/2016 às 09:48
Show mercedes
Toto Wolff 'rasgou a bíblia' que determina boa convivência entre os pilotos (Foto: Getty Imagens)
Camila Leonel Manaus (AM)

A quatro corridas do fim da temporada de 2016, a novela Hamilton x Rosberg ganhou novos contornos na última semana. Os pilotos da Mercedes que vêm brigando pelo título já protagonizaram diversos lances que provam que a vontade de vencer é maior que o espírito de equipe e após assegurar o título de construtores, a Mercedes, que já pediu para que os pilotos se comportassem melhor, deu carta branca para a briga pelo título.

“Não há ordens ou qualquer limitação. Que vença o melhor”, disse o chefe da Mercedes, Toto Wolff. Hamilton larga na pole, enquanto Rosberg vai ao lado dele na primeira fila. A corrida começa às 15h (horário de Manaus).

A rivalidade entre o alemão e o inglês ficou evidente em vários episódios. No início do GP da Espanha, os dois carros bateram e eles abandonaram a prova. No GP do Canadá, tocaram-se no começo do GP do Canadá. Recentemente, nova colisão: se chocaram na última volta em Spielberg.

Durante a semana, Hamilton começou melhor: foi o primeiro no treino da quinta-feira ao anotar 1min37s420 contra 1min37s743 do alemão. Na sexta, Rosberg deu o troco: fez 1min 37s358, já Hamilton fechou o treino em 1min37s649.

Nico Rosberg é o líder do campeonato com uma diferença de 33 pontos em relação ao vice-líder, Lewis Hamilton. Faltando quatro corridas –  Estados Unidos, México, Brasil e Abu Dhabi- ainda há 100 pontos em disputa.

Para o GP dos Estados Unidos, Hamilton conta com o retrospecto positivo. Ele tem três vitórias em quatro provas disputadas no circuito de Austin, mesmo nunca tendo conseguido a pole position. Porém, o retrospecto recente na temporada não é dos mais favoráveis. O inglês vem de provas em que teve problemas técnicos, atuações abaixo da média. Tudo isso, somando-se à perda da liderança.